quinta-feira, 18 de maio de 2017

Corra! cria suspense pertubador e honra o gênero com reviravoltas surpeendentes


Tratar de preconceito e questões raciais, seja nos cinemas, seja na TV, certamente é algo difícil em 2017. Com altas tensões, o tema nem sempre é bem abordado, abrindo muitas portas para pesadas críticas e desgosto do público. No suspense Corra! (Get Out), o diretor Jordan Peele leva essa questão a um nível completamente diferente, narrando um conto inesperado e uma ambiência creepy e um tanto perturbadora.

A história segue Chris Washington (Daniel Kaluuya), um jovem negro que está a caminho de conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose Armitage (Allison Williams) em uma cidade do interior. Apesar das constantes reafirmações de Rose de como sua família nunca se importou com a cor da pele de quem ela se relacionava, Chris demonstra evidente preocupação, que rapidamente se transforma em algo mais sério quando percebe que a aparente família tradicional guarda um segredo que pode por em risco sua vida.

Um ponto marcante do longa é a constante sensação de que algo está errado. A produção é feita para que, desde o começo, o espectador fique a beira de sua cadeira enquanto vivencia uma tensão real, que vem à tona com intensas músicas e desconcertantes olhares e reações dos personagens na casa dos Armitage.

Chris (Daniel Kaluuya) se vê como um total estranho em meio à perturbadora comunidade dos Armitage - Foto por Justin Lubin - © 2016 Universal Pictures

A medida que Chris conhece mais da comunidade que frequenta a casa dos pais de Rose, sua preocupação se transforma em uma paranoia, chegando a ser, de certo modo, transportada para o público que busca compreender o que se passa naquele esquisito cenário.

Dito isso, fica fácil perceber como o filme bebe da fonte de The Stepford Wives (1975), que teve como adaptação mais recente o remake Mulheres Perfeitas de 2004, com Nicole Kidman. Assim como esses filmes, Corra! trabalha bem com o desenvolvimento da trama, que vai revelando aos poucos o que realmente está acontecendo.

Outra dimensão muito bem abordada na narrativa é o trauma de Chris sobre a morte de sua mãe. Afundado em questões extremamente psicológicas, o tema é frequentemente trazido em variadas situações, mostrando uma evolução do personagem de um grande sentimento de culpa a um ponto de aceitação.

Em meio a essa abordagem, são ainda tratados elementos satíricos que ajudam a digerir a história e até puxam algumas boas risadas (de medo e de humor). Enquanto o filme é principalmente carregado no suspense, as pontuais inserções do personagem Rod Williams (LilRel Howery), o amigo de Chris, são hilárias e o fazem merecer ganhar uma história exclusiva para si.

Os pais de Rose, interpretados por Bradley Whitford e Catherine Keener, estão no centro do suspense da trama - Foto por Justin Lubin - © 2016 Universal Pictures

O diretor estreante, escritor e coprodutor Jordan Peele consegue amarrar as diferentes facetas da obra em um trabalho interessante e intenso. Conhecido por tradicionalmente trabalhar com comédias, o diretor faz um excelente trabalho em criar e manter a tensão em um filme de suspense que cada vez mais tem se tornado difícil de ver.

A fotografia e o som são, de mesma forma, importantes elementos que ficam bem integrados com a trama e ajudam a construir esse clima almejado pela direção.

Ainda que a questão principal seja racial, o longa toma, perto do seu fim, uma reviravolta surpreendente, mas que traz, a todo o tempo, uma série de pistas para que o próprio espectador compreenda a situação.

Corra! aproveita, desse modo, importantes recursos do suspense e os aplica com maestria em um ambiente fictício, mas ao mesmo tempo aterrorizante, criando suspeitas e incertezas até o encerramento da história.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Rei Arthur: A Lenda da Espada surpreende com recursos visuais dinâmicos em conto de épico


Rei Arthur é uma das maiores fábulas históricas da Grã-Bretanha. Sua história já foi contada de várias maneiras e com diferentes abordagens. Em 2017, o diretor Guy Ritchie reconta a trajetória do famoso líder de uma maneira bastante dinâmica e inesperada para um épico histórico.

O filme começa com um ritmo já conhecido pelo espectador, situado no período medieval durante o reinado do pai de Arthur (Charlie Hunnam). Logo de início, a produção já se encarrega de deixar claro que este é um universo fantasioso, no qual homens e magos vivem lado a lado. O Rei Uther (Eric Bana) reina em trégua com a raça dos magos, mas ao ser traído pela ganância de seu irmão para obter o poder, Uther precisa proteger seu herdeiro e lutar contra Vortigern (Jude Law) com sua poderosa espada Excalibur.

Vortigern, ao vender sua alma para as trevas e se unir a um mago poderoso, incita uma caçada aos magos, dominando a Grã-Bretanha e exigindo adoração de seus súditos. Sem a espada e desconhecendo o paradeiro de Arthur que conseguiu escapar com os últimos esforços do pai, o novo Rei começa seu reinado de terror em busca de mais poder.

Arthur não tem nenhuma lembrança do seu passado régio, além de sonhos perturbadores que o atormentam todas as noites. Adotado por cortesãs que o abrigaram e educaram em um dos bordeis de Londínio, o garoto crescido nas ruas, após um duro desenvolvimento tão próximo a realidade brutal e miserável, não só entendeu como aquele submundo funcionava, como prosperou e aprendeu a guardar seu dinheiro e empreender.


Mas sua vida agora fácil e já adaptada à rotina de Londínio e do bordel que cuidava e gerenciava, foi perturbada quando seu tio, o atual Rei, deu-se conta que para conquistar o poder que tanto procurava, teria que se apossar da Excalibur e por consequência, livrar-se do seu dono por direito, Arthur.

E assim começa a trajetória de Arthur em tornar-se o Rei que a Grã- Bretanha precisava e libertar todos as garras do tirano Vortigern. Apesar de não acreditar em seu potencial, Arthur não está sozinho nessa jornada e irá receber ajuda de pessoas que já lutavam contra Vortigern e apoiavam o novo Rei, além de uma poderosa e misteriosa Maga (Astrid Bergès-Frisbey). Arthur terá que enfrentar seus medos e sua insegurança e assumir seu lugar de direito para então, liderar seus famosos Cavaleiros da Távola Redonda.

Apesar da grande influência e presença de magos em um conto já conhecido como Rei Arthur, a maneira com que a história é contada pelo diretor torna a experiência inovadora e surpreendente. Com movimentos de câmera não convencionais, planos interessantes que variam de cena a cena aos olhos do público e recursos de filmagem como o uso de técnicas que lembram a filmagem com GoPro, Guy Ritchie consegue prolongar o interesse dos espectadores. A dinâmica visual do filme faz com que o tempo da história pareça maior do que realmente é, talvez pela diversidade que precisa ser assimilada no curso do longa.

Outro ponto que realmente chama a atenção é a trilha sonora e mixagem de som que, perceptivelmente, foram feitas com meticuloso cuidado já que a primeira engrandece e complementa os momentos críticos do filme, e a segunda faz com que os pequenos detalhes da cena sejam notados pelo espectador com o uso de sons detalhados que complementam cenas de diálogo e lutas épicas.

Em histórias de Rei Arthur, muitas vezes o personagem principal é apagado por sua própria história e personagens secundários, mas em A Lenda da Espada, Arthur é o ponto principal da trama e reivindica seu local em toda cena que faz parte, assim como, eventualmente, seu local no trono inglês. Todos os personagens da trama ter personalidades bem construídas e são bem explorados em suas relações sejam do lado a favor de Arthur ou de Vortigern e as trevas.

Em especial, nesta produção, a Excalibur é muito mais do que uma peça de metal lendária, a espada do Rei possui uma história profunda que interliga as duas raças conflitantes do filme, os homens e magos. Seu poder é inimaginável e desejável por todos que buscam dele aproveitar-se. Mas para que seu poder seja totalmente revelado, seu portador e mestre deve aceitar seu destino e proteger a Grã-Bretanha dos males que a aflijam.

Este épico histórico vem para mostrar que filmes de ação podem sim fugir da mesmice visual e de roteiro que grandes produções não cansam de repetir. Rei Arthur: A Lenda da Espada é um filme que vale a pena ser visto nos cinemas, já que foi cuidadosamente feito para despertar diferentes sensações visuais e sonoras em quem assiste, além de trazer uma história bem amarrada e que explora todos os fatos que expõe para o espectador desde o início da trama. Viva o Rei Arthur, vida longa ao Rei!

Nota: 9,5

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Salvador comemora o Dia do Orgulho Nerd na Livraria Cultura


Na próxima semana (26), o Mega Hero realiza o Dia do Orgulho Nerd no Teatro Eva Herz. O evento contará com a participação do Jovem Nerd, Conselho Jedi Bahia e outros expoentes locais que promovem a cultura Nerd na cidade.

Na grade de atrações bate-papos como "O Papel da Mulher no Universo Nerd" que terá a participação dos sites Mega Hero, Tabuleiro Nerd e a loja Coração Geek e "Como é ser Nerd em 2017" com o Leitor Reverso e o grupo Cosplayers BA prometem render boas discussões. Em um olhar mais profissional, o editor Pedro Duarte do Jovem Nerd conta um pouco como é ser jornalista na área e para divertir os presentes terá o tradicional desfile cosplay e a Batalha Nerd, atividade que reunirá os grupos Mega Hero, Magic Zoo, Leitor Reverso e Conselho Jedi para um debate onde irão descobrir qual dos universos tem os melhores personagens.

Confira abaixo a programação do evento:

17h00 - Bate-Papo: Como é ser Nerd em 2017
(Convidados: Leitor Reverso e Cosplayers-BA)

17h40 - Bate-Papo: Jornalismo Nerd
(Convidado: Pedro Duarte - Jovem Nerd)

18h10 - O que vem por aí no Universo Nerd?
(Convidados: Mega Hero)

18h40 - Mesa-Redonda: O Papel da Mulher no Universo Nerd
(Convidados: Tabuleiro Nerd, Mega Hero e Coração Geek)

19h10 - Atividade: Desfile Cosplay

20h10 - Atividade: Batalha Nerd
(Convidados: Conselho Jedi Bahia, HP Magic Zoo, Leitor Reverso
e Mega Hero)

21h00 - Encerramento do evento e resultado Desfile Cosplay

Serviço:
Dia do Orgulho Nerd 2017
Local: Teatro Eva Herz (Livraria Cultura - Salvador Shopping)
Data: 26 de Maio de 2017
Horário: 17h00
Entrada: Gratuita

Dino Force Brave, mais japonês do que Sul Coreano


Desde o anúncio da uma adaptação coreana do sucesso japonês "Zyuden Sentai Kyoryuger", ficou uma pergunta no ar: Será que vai ficar legal?

Para situar você no que está acontecendo, as séries originais Super Sentai (japonesas) todos os anos são exibidas na Coréia do Sul com o nome de "Power Rangers" mais alguma coisa. O sucesso lá é evidente e ano após ano novos Sentai são transmitidos por lá. Um dos grandes destaques foi "Power Rangers Dino Force" conhecido como Kyoryuger no Japão. A série fez sucesso imediato na época e um pouco tempo depois os coreanos decidiram encomendar uma "continuação" com astros do seu país.

Lançado no dia primeiro de Abril na Coréia do Sul, "Power Rangers Dino Force Brave" conta a história depois dos eventos de "Dino Force". Um novo inimigo chamado Neo Deboth deseja vingança contra o planeta Terra e Torin ao lado de Luckyuro e Candelilla precisam recrutar um novo grupo de heróis para derrotar essa nova investida.

Os novos heróis - Foto: Reprodução internet

Como jogada de mestre, foram contratados astros do pop coreano para encarnar os novos heróis, que apesar de não serem atores, conseguem até convencer nos diálogos e cenas de luta. Um adicional interessante é que Dino Force Brave está sendo exibido também no Japão pelo nome de Zyuden Sentai Kyoryuger Brave e redublando todos os personagens no idioma deles. E ai vai uma recomendação minha: Se for assistir a série, assista no áudio original coreano. Muito se perde da atuação e da qualidade quando está redublado, os japoneses precisam aprender ainda um pouquinho como cuidar desses detalhes.

A maior parte das cenas de luta (incluindo Zords e Megazords) foram feitas no Japão no ano passado, o que deixa a série com uma cara muito mais japonesa do que coreana, mas isso não é tão ruim. A Toei caprichou nos efeitos especiais trazendo ótimas tomadas e lutas interessantes (até melhores que Kyoryuger em alguns momentos). A parte triste de tudo isso é que cada episódio tem em uma média de dez minutos o que deixa tudo corrido e um gostinho de quero mais.

Todos unidos dentro do Brave Gigant TyrannoKing - Foto: Reprodução internet

Ainda é muito cedo para traçar como vai terminar essa aventura (que tem 12 episódios programados apenas), mas o ritmo e o nível está semelhante às séries Super Sentai. Se você não conhece muito o mercado coreano de Tokusatsu precisa se atualizar imediatamente, o país tem aprendido a produzir séries interessantes e com ótimos personagens e aparentemente a criação de Dino Force Brave pode ser um sinal de que muito em breve irão fazer semelhante aos Estados Unidos, usando algumas cenas japonesas e trazendo um elenco originário da Coréia do Sul.

Power Rangers Dino Force Brave pode ser a válvula de escape que você procurava para ver Tokusatsu de outro lugar do mundo, mas se quer uma experiência melhor, recomendo ver Legend Hero.

Nota (Dois primeiros episódios): 6,5

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Wattpad é uma plataforma para fãs de livros e novos escritores


E surge o Wattpad


Wattpad é uma plataforma online (dispositivos móveis e web) para criação e compartilhamento de contos, romances, artigos, poesias, HQs e diversos tipos de textos literários. Uma rica comunidade formada de leitores e escritores que surgiu em 2006 que proporciona uma interação direta entre autores e leitores. Essa interação é intensa, cada trecho de texto pode receber comentários e os capítulos, votos.

A plataforma tem crescido muito e tem uma audiência mensal de 45 milhões de usuários, mais de 300 milhões de histórias, suportado em mais de 50 idiomas e com 90% de usuários em dispositivos móveis. O público em sua grande maioria (80%) são os jovens da Geração Z.

É um grande celeiro de histórias como nunca se viu antes, e conta com a presença de autores iniciantes e até consagrados como Margaret Atwood, Paulo Coelho e Brandon Sanderson. É também um lugar que tem aumentado a acessibilidade de histórias, especialmente para os jovens.

Publicações seriadas

Uma coisa legal do Wattpad é o fato de dividir as publicações em capítulos, sendo que cada parte pode ser alvo de interações à parte e evocando de volta o modo antigo de publicações de romances seriados, como eram feitas em jornais antigamente. Para autores corajosos, é um espaço onde podem colocar suas histórias ainda incompletas e até mudar o rumo das mesmas de acordo com o feedback recebido. Falo por experiência própria, quando comecei a postar um de meus livros, que já estava “pronto”, recebi alguns feedbacks que fizeram muito sentido e então, antes mesmo de terminar a publicação do mesmo, reescrevi muita coisa, mudando totalmente o desenvolvimento e conclusão da trama.

Outro aspecto é que os autores têm a oportunidade de construir uma base de fãs e isso se torna um chamariz do interesse de algumas editoras, como veremos a seguir. Mas não se engane, livros mais votados ou visualizados não quer dizer que sejam os melhores, ou mais bem escritos da plataforma. O público jovem que vota nas obras baseado em temáticas que agradam está sujeito a modismos. Algumas categorias como Romance, Ficção Adolescente e livros com temática sexual (hot) são campeões disparados de visualizações e votos. Por exemplo, uma rápida pesquisa no ranking das categorias, considerando a soma de visualizações das primeiras 6 obras mostrou os seguintes números:

  • Romance 17.1Mi
  • Ficção Adolescente 12.5Mi
  • Vampiros 3.6Mi
  • Humor 3.4Mi
  • Ficção Científica 2.3Mi
  • Fantasia 1.4Mi
  • Poesia 830 mil
  • Clássicos 747 mil
  • Lobisomens 580 mil
  • Ficção Histórica 279 mil , etc.

Dá para ver que obras clássicas como Dom Casmurro ou Orgulho e Preconceito tem pouquíssimas visualizações se comparadas com outras tantas. É claro que o número de visualizações tem relação com diversos fatores, por exemplo a própria disposição do autor em divulgar sua obra.

Do Wattpad para as livrarias e além

Há vários autores que começaram no Wattpad, suas obras chamaram atenção de editoras e foram publicadas. Um exemplo é o autor Marcus Barcelos, cujo ótimo romance de terror, Horror na Colina de Darrington, que em maio de 2017 já conta com mais de 1.2 milhões de leituras no Wattpad. Sua obra encontrou o caminho para as livrarias através da Faro Editorial. Com certeza o Wattpad cumpriu um papel importante no início de sua carreira como escritor. Hoje Marcus participa de muitos eventos literários e está trabalhando na sequência do romance que deve ser publicado no final de 2017.

Um caso diferente é o da autora Becca Mackenzie, uma autora muito ativa e popular no Wattpad e que foi contratada pelo programa Wattpad Stars para escrever, no prazo de 2 semanas, uma história de ficção científica para a GE com o tema Big Data. O resultado foi o conto Imprevisível.

Conversei com a Becca e ela estava muito satisfeita com o trabalho. “Foi uma experiência que me tirou da zona de conforto e me mostrou que eu posso ir além do que imaginei. Expandiu meus limites”.

Seguindo a mesma linha, o autor Chaiene Santos, autor da série de ficção científica híper popular, Os Filhos do Tempo, também já foi contratado pelo Programa Stars, podemos esperar que vem coisa boa por aí! Os Filhos do Tempo não apenas se tornou popular no Wattpad, como também conquistou as primeiras posições em vendas na loja Amazon brasileira.

Recentemente, o Wattpad lançou em conjunto com a revista MUNDO ESTRANHO, da editora Abril, o livro Mundos Paralelos.


Dez jovens autores populares na plataforma Wattpad foram convidados para imaginar MUNDOS PARALELOS levemente parecidos com o nosso, mas com uma única alteração que pode mudar radicalmente o modo como as pessoas vivem, amam e morrem.

Algo no estilo Black Mirror, MUNDOS PARALELOS reúne dez contos de sci-fi e fantasia dispostos a capturar a imaginação dos leitores. Ainda é possível encontrar o livro em bancas e livrarias. Conheça os autores da antologia: http://maisqinerds.com/2017/03/28/mundos-paralelos-wattpad/

Concursos

O Wattpad é uma comunidade vibrante de escritores e sempre cheia de concursos. O mais importante é o Wattys. Iniciado em 2011 é um concurso internacional disponível nos vários idiomas da plataforma. Ganhou edições em língua portuguesa desde 2015, havendo diversas categorias interessantes como, Voto Popular, Inovação, Estreia Autoral, Joias Escondidas, Leitoras Vorazes, Na Boca do Povo, Edição de Colecionador, Nova Voz e Preferida dos Funcionários.

Você pode ver os vencedores das últimas edições:
Os perfis gerenciados pelo programa embaixadores do Wattpad, também promovem muitos concursos, são eles:
Além destes, há inúmeros outros perfis e concursos criados pelos membros da comunidade.

Algumas indicações

Nossa, tem um zilhão de livros e contos legais pelo Wattpad, mas para você que vai começar, alguns títulos para experimentar:

Aventura

Luz e Escuridão de Deco Sampaio
Sobre Meninas e Lobos - Heloisa Heidtman

Ficção Adolescente

Antes de Tudo Acabar - Mary C. Müller
Eu, cupido - Julia Braga

Terror

Horror na Colina de Darrington - Marcus Barcelos
A Noiva do Homem Peixe - Tiago Cabral

Fantasia

AIKA - A Canção dos Cinco - Lucia Lemos
Perna de Magia - Priscila Barone

Ficção Científica

Os Filhos do Tempo - Chaiene Santos
Engenharia Reversa - André Luis Barreto

Paranormal

A Sala do Tempo - Renan Bernardo
Desmortos  - Mary C. Müller

Clássicos

Dom Casmurro - Machado de Assis
Orgulho e Preconceito - Jane Austen

Fanfics

As Cartas de Hodor (Fanfic de Game of Thrones)
Dramione- A love for life - Kaah Pereira

Ficção Histórica

Ao Sul de Guadarrama - Mario Porto

Minha participação no Wattpad

Para terminar, quero falar um pouco da minha própria participação no Wattpad. Eu sou escritor e comecei a escrever meu primeiro livro em 1996. Terminei no ano 2000 e ficou parado por anos, até que em 2007 decidi publicar no meu próprio blog. Tive muito retorno de leitores desde então, mas quando conheci o Wattpad e comecei a publicar minhas obras esse retorno cresceu exponencialmente. Estava gostando tanto da experiência na plataforma que decidi me candidatar a uma vaga para o programa de embaixadores da plataforma, e fui aceito.

Tive também a grata surpresa de ter uma de minhas obras, o romance de fantasia sombria Olhos Negros, premiado pelo Wattys em 2015, na categoria Tesouros Não Descobertos. (Bem, ainda acho que continua bastante não descoberto, depois de dois anos). Mas por outro lado, vi meu conto de sátira a super-heróis “A Morte do Homem-Café” estourar, com um número proporcional de leituras muito maior que meu romance premiado.

Como embaixador do Wattpad, posso afirmar que tenho visto uma comunidade muito rica de leitores e escritores e muito fértil para escritores iniciantes (e não tão iniciantes) possam de desenvolver, encontrar feedback, dicas para escrever melhor, etc.

Se você é aspirante a escritor esse é um ótimo ambiente para mostrar seu trabalho e desenvolver suas habilidades. Se apenas gosta de ler, também é um legal para ler e também trocar ideias sobre o que está lendo com autores e outros leitores.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Cinco coisas que você precisa saber antes de assistir Alien Covenant


Hoje acontece a estreia da aguardada sequência de Prometheus, longa metragem que em 2012 deixou várias pontas soltas acerca do universo de Alien e deixou os fãs esperançosos para conhecer um pouco mais do universo dos Xenomorfos de Ridley Scott.




Com críticas mistas, mas no final um consenso positivo, Alien: Covenant é um novo passo que abre portas para outras abordagens e traz um pouco da atmosfera da franquia, se ficou interessado em nossa opinião sobre o filme, clique aqui. O Mega Hero separou cinco curiosidades para você ler antes de assistir para não perder nenhum detalhe do que é mostrado na tela. Mas não se preocupe, não terá spoilers.

01 - Quando se passa Alien: Covenant?


Sabemos que Prometheus é o marco inicial - Foto: Reprodução internet

A continuação de Prometheus não se passa tão distante quanto imaginávamos. Covenant acontece em 2103, dez anos após os eventos de Prometheus e apenas 19 anos antes do primeiro longa metragem de Alien. Está situado? Quer se sentir melhor ainda? Nós preparamos uma linha do tempo com todos os filmes e mídias derivadas que fazem parte do universo expandido da franquia. Confere aqui.

02 - Porque Covenant? Não seria Prometheus 2?



Quem será que irá morrer primeiro em Covenant? - Foto: Reprodução internet

A história do lançamento de "Alien: Covenant" passou por várias mudanças e histórias nos bastidores que não foram completamente confirmadas. O que foi dito é que inicialmente o longa se chamaria "Prometheus 2", mesmo com toda a destruição vista no filme anterior. Em seguida o estúdio adotou o título "Alien: Paradise Lost", uma clara referência mencionada em Prometheus pela protagonista Dra. Shaw. No final das contas ficou o título que conhecemos e que pode ter diversas interpretações. Claro que "Covenant" é o nome da nave que será apresentada, mas na tradução literal pode significar "Pacto", "Aliança" e na bíblia o nome se associa a "A Arca da Aliança". O filme traz diversas indagações à cerca da criação do universo e discussões com teor filosófico e bíblico.

03 - Como nasce o tal do "Alien"?

Primeiramente você deve saber que o nome dado para o "Alien" que conhecemos na verdade é Xenomorfo, estamos entendidos? Na saga original funcionava da seguinte forma: Primeiro você tinha o Alien Rainha que colocava um ovo, desse ovo nascia o Facehugger (que parece uma aranha) que saltava no hospedeiro para introduzir um "bebê" e por fim ele estourava o peito da pessoa depois de se alimentar das suas entranhas. Ai se iniciava o ciclo rápido de crescimento até virar aquela criatura preta que nós amamos (ou não). Em Prometheus a origem fica um pouco diferente: Para se contaminar você precisa ter contato com um patógeno (no filme os humanos ficam perto de vasos largados no planeta que estão repletos desse organismo) que contamina o individuo fazendo aparecer uma pequena larva (visível nos olhos). Uma outra forma de se contaminar é com o Hammerped, uma espécie de cobra que pode introduzir filhotes e é muito agressivo.

Clique na imagem para ampliar - Foto: Reprodução internet

Mas voltando à versão do patógeno, se você depois de estar infectado manter relações sexuais, a fêmea irá desenvolver em si o Trilobita (uma especie de polvo) que cresce de forma assustadora e no filme acaba infectando o Engenheiro (Enginner) por via oral e nele nasce o "Alien". Em Covenant teremos novidades no ciclo evolutivo, mas não irei contar pra não tirar a graça.

04 - Eu preciso assistir Prometheus para entender Covenant?

Em diversos momentos Alien: Covenant puxa uma pontinha para explicar algo do seu predecessor e em uma certa situação isso fica mais evidente. Mas é sempre bom rever o longa para entender alguns detalhes antes de sentar na sala de cinema. Prometheus mostra a origem dos Engenheiros, os possíveis criadores da raça humana e como (aparentemente) os Xenomorfos surgiram. Se você for ainda assim não quer assistir, confira o prólogo de Covenant logo embaixo, que não será exibido durante a sessão.



05 - Referências e Easter Eggs

Claro que Ridley Scott não ia deixar os fãs de longa data sem aquele fã service. Covenant está repleto de referências dos outros filmes, sobretudo Prometheus (2012) e Alien (1979), alguns colocados de forma sútil enquanto outros apenas os mais atentos irão notar. Sugiro assistir o filme mais de uma vez com os seus amigos.