sexta-feira, 2 de março de 2018

Batgirl e as Aves de Rapina explora dramas e a importância da confiança no trabalho em grupo


Vamos de DC Comics nesta sexta-feira de quadrinhos aqui no Mega Hero? Desta vez, apresentando Batgirl e as Aves de Rapina do Universo DC Renascimento. Se você está acompanhando os reviews aqui no site, já saiu um de Batgirl Volume 1, não esquece de conferir!

Uma nova missão surge quando um familiar nome volta para assombrar Barbara Gordon. Quem poderia estar usando seu antigo codinome, Oráculo, para vender informações para criminosos? A Batgirl então procura a ajuda de sua antiga companheira de lutas contra crimes, a Canário Negro para juntas desatarem verdadeiros nós de informações que levam a tramas muito mais profundas do que esperavam encontrar, uma delas sendo a interferência em sua missão pela vigilante Caçadora, que não poupará esforços para realizar sua vingança.

Com o roteiro de Julie Benson e Shawna Benson, e arte de Claire Roe e Rogê Antônio, a HQ consegue explorar muito bem dramas internos das personagens principais, ao mesmo tempo que constrói um grupo de heroínas. A Batgirl precisa resolver constantes casos envolvendo a máfia para assim encontrar o usurpador de seu codinome que possui profundos significados para ela, com a ajuda de sua parceira Dinah que procura não se evolver mais com esse tipo de missão, mas resolve ajudá-la por ser um assunto tão importante para Barbara.

Helena Bertinelli, a Caçadora. Foto: Mega Hero

E temos a introdução de Helena Bertinelli, a justiceira que busca vingança pelo que fizeram a sua família e continuará sua busca implacável para encontrar o responsável. Assim, acabará se envolvendo com as duas outras heroínas já que seus alvos e objetivos eventualmente se cruzam e toda ajuda será bem-vinda.

É interessante ter uma história onde os protagonistas são bem apresentadas e presentes. O fato de serem três, poderia ter prejudicado alguma das histórias, o que não acontece. Dentro do contexto do quadrinho, suas motivações e sentimentos são bem explorados e o leitor tem a oportunidade de conhecer cada uma delas com bastante intimidade e construir até uma relação simpática pelas personagens.

A Batgirl e a Caçadora possuem gênios fortes então os embates são intensos, muito argumentativos ou violentos, mas a Canário atua como uma mediadora e algumas características da Batgirl, como paciência e compaixão, fazem com que no fim as garotas entendam que há uma luta maior e que a cooperação é o melhor caminho, mesmo que tenham que entender e sentir suas dores em um primeiro momento.

A história mexe com cada uma delas de maneiras diferentes e exige que consigam superar suas batalhas internas para chegar à conclusão da missão. É um roteiro com surpresas para as protagonistas, que trazem grandes mudanças em suas maneiras de ser. A maior evolução é da Caçadora que enfrenta seu passado de uma maneira bastante brutal e cruel, sendo preciso muita força para se reerguer para continuar a lutar.

Batgirl e Caçadora discutem em um de seus embates. Foto: Mega Hero

Um dos pontos positivos do quadrinho é como o trabalho em grupo é explorado. A relação das três começa bem distinta e acaba por convergir a um objetivo em comum. Mesmo com todos os dramas elas conseguem, eventualmente, desenvolver confiança uma na outra e essa mensagem é bem forte e positiva.

Com tons mais frios nas cores e uma finalização bastante escura, o visual da produção passa o sentimento de dor e amargura pelos quais passam as personagens, tendo cuidado para esquentar os tons em memórias importantes, mas mantendo uma consistência de tonalidade por toda a obra, o que ajuda o leitor a entrar em contato com os íntimos de cada uma.

Batgirl e as Aves de Rapina dá a chance de conhecer melhor três heroínas da DC Comics com um nível de profundidade acima do normal para um primeiro volume. A história se desenvolve de maneira orgânica, prendendo a atenção do leitor nas tramas apresentadas e o envolvendo-os no clima de mistérios e desenvolvimento pessoal da Batgirl, Canário Negro e Caçadora. É uma alegria ter uma publicação com tanto poder feminino e complexidade de roteiro sendo publicado, aproveitem, conheçam e leiam.

Ah, e não deixem de comentar aqui o que acharam, okay? Vamos conversar!

Ficha Técnica:
Título: Batgirl e as Aves de Rapina (2017)
Editora: Panini Comics
Roteiro: Julie Benson e Shawna Benson
Arte: Claire Roe e Rogê Antônio
Cores: Allen Passalaqua e Hi-Fi
Capa: Yanick Paquette e Nathan Fairbairn
Número de páginas: 164

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário