quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Harry Potter e a Criança Amaldiçoada emociona e apresenta um novo futuro para a franquia


"Minha mãe dizia que as coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós, mas nem sempre dá forma esperamos.” – Luna Lovegood (Harry Potter e a Ordem da Fênix)

Depois de 9 anos, desde o lançamento de Harry Potter e as Relíquias da Morte, aqui estamos nós novamente, retornando à história com um Harry Potter já adulto, em Harry Potter e a Criança Amaldiçoada.

Se tinha algo que eu não poderia deixar de fazer era a resenha desse livro, que já deu muito o que falar entre os fãs da saga. Alguns gostaram, outros nem tanto. As opiniões estão um tanto quanto divididas. Alguns até chegam a afirmar que não consideram essa nova história como a oitava, e a comparam com uma fanfic.

Nessa resenha eu darei minha opinião a respeito da história, sem dar spoilers, pois, isso iria estragar a experiência daqueles que ainda não leram, e acreditem em mim quando digo o seguinte: existem momentos do livro que farão os Potterheads, até os mais críticos, chorarem e ficarem com o coração apertado.

Então, sem mais delongas, vamos ao que realmente interessa, Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Logo de começo é preciso deixar claro algumas coisas importantes. A primeira é que, pelo fato de ser um roteiro de uma peça de teatro, a forma em que a história é narrada é completamente diferente do que estávamos acostumados para a saga, porém, em momento algum isso atrapalha a experiência.
Algumas pessoas podem encontrar um pouco de dificuldade, no começo, porém, após as primeiras páginas, essa dificuldade é sanada e a leitura fica ainda mais fluída.

O segundo ponto é que o roteiro que foi publicado não é a versão final. Como alguns sabem, os roteiros de peças podem sofrer alterações durante sua exibição, o que significa que o mesmo poderá acontecer com Harry Potter e a Criança Amaldiçoada. Ainda não sabemos nada a respeito do roteiro final, e nem se de falo ele vai mesmo ser lançado, porém, o que muitos fãs já têm em mãos, em nada decepciona.

Agora sim vamos falar sobre a história, que é o que muitos estão interessados. A história da peça se passa 19 anos após os acontecimentos de As Relíquias da Morte, e é basicamente centrada na relação que Harry tem com seu filho do meio, o jovem Alvo Severo Potter. Durante toda a história é possível ver como é difícil essa relação entre os dois, já que o Alvo não tenta entender o que o pai passou em sua infância, e Harry não sabe como se aproximar de seu filho, já que ele não teve um pai em quem se basear.

Por ser um roteiro de peça, quase não existe descrição, apenas algumas características para situar o leitor na cena. A maior parte do livro é toda de falas, o que acaba deixando a leitura muito mais rápida. Os fãs de Harry que já estão acostumados a usarem bem sua imaginação, não encontraram muita dificuldade em criar as cenas em sua mente, ou até em alguns casos, criarem possíveis cenas de um filme, como ocorreu comigo em diversos momentos.

Uma dica que eu darei: evitem ao máximo ver qualquer imagem da peça, pois ela poderá estragar a experiência da leitura, já que possivelmente estará carregada de spoilers. Muita gente reclamou sobre a escolha dos atores para os papeis dos personagens já conhecidos, porém, quanto mais você se aprofunda na história, mais você consegue enxergar esses novos atores dando vida aos personagens que tanto amamos. Em diversos momentos eu consegui visualizar Noma Dumezweni no papel de Hermione, como também tiveram momentos em que consegui ver nitidamente Emma Watson. E isso para mim foi fantástico, pois estava morrendo de medo de ficar preso apenas aos atores do cinema.

Em relação a ser chamado de fanfic, por um lado eu concordo e por outro eu discordo. O lado que eu concordo é que existem alguns momentos no livro, poucos pelo menos para mim, que realmente foram mal construídos e explicados, e isso acabou ficando estranho para quem acompanha as histórias de J.K. Rowling há anos e sabe que ela sempre tenta dar uma boa explicação para tudo.

Eu discordo pelo fato de que, na maioria do livro, a impressão que eu tive foi que estava lendo de fato algo escrito pela própria Rowling, e não por Jack Thorne, que conseguiu emular a escrita de Rowling e também passar o mesmo sentimento que todos os fãs já estavam acostumados a ter.

Arrisco-me a dizer que boa parte das críticas negativas a respeito da história foi porque os fãs estavam esperando algo tão grandioso quando As Relíquias da Morte, porém, A Criança Amaldiçoada é grandioso em sua própria maneira, e não podemos simplesmente desconsiderar isso. Acho que na condição de fãs da saga, devemos estar abertos a todo o tipo de possibilidade para o retorno da franquia, e também, muita gente criticou baseado no que leu de notícias, e não após ter lido a história. Eu sei que cada um tem o direito de expressar sua opinião, porém, eu só peço que façam isso após terem lido o roteiro.

Para finalizar, admito que no começo eu estava muito receoso e critiquei muito a história quando a li na versão britânica, porém, agora que tive a oportunidade de conferir a versão em português, eu acabei me apaixonando novamente pelo mundo de Harry, e, algo que eu nunca imaginei que pudesse acontecer ocorreu, Escórpio Malfoy, o filho de Draco, se tornou meu personagem preferido da história.

Rowling já tinha falado que a peça fecharia de vez de vez a história de Harry, mas será que não existe a chance dela ou de alguma outra pessoa, contar a história de Alvo e Escórpio? Pois a sensação que tive ao terminar a última página, foi a mesma que tive com todos os outros livros de Harry, a de que precisava de mais. E se aprendemos uma coisa em todos esses anos, é que a magia sempre encontrará uma nova forma de retornar.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário