quarta-feira, 15 de julho de 2015

Crítica | Ultraman X, a estrela de Ultra volta a brilhar


No inicio dessa semana, os fãs de Tokusatsu (mas precisamente da franquia Ultraman) foram pegos de surpresa com o anuncio da exibição da nova série "Ultraman X" em território nacional. O Crunchyroll surpreendeu a todos quando revelou que o novo Ultra iria fazer parte de seu catálogo de seriados.

Atualmente quando se falam de super-heróis japoneses, as pessoas imediatamente lembram dos Kamen Riders e/ou dos Super Sentais, mas existe um personagem que está muito acima dessas duas franquias quando tratamos de impacto histórico dentro da cultura pop oriental, Ultraman.

Ultraman começou originalmente em 1966, antes disso uma série chamada "Ultra Q" preparava o terreno para a chegada do gigante de luz. O impacto do personagem gerou diversas continuações pela produtora Tsuburaya ganhando forte prestigio dentro e fora na terra do sol nascente. No entanto, alguns fãs e críticos afirmam que hoje Ultraman não tem a mesma força que tinha na época de ouro décadas atrás. As séries passaram a ser mais curtas e menos regulares. Ultraman Ginga apesar de muitos terem gostado, passou um pouco despercebida visto que comemorava 50 anos da Tsuburaya.

Ultraman agora está de volta e desta vez com uma distribuição em escala global. O site de streaming de Animes e seriados japoneses Crunchyroll (que já distribui Ultraman Leo, 80, Max e Mebius) será responsável por transmitir Ultraman X para diversos países, incluindo o Brasil.

Daichi Ozora, o protagonista de Ultraman X - Foto: Reprodução internet

15 anos atrás, um explosão solar desperta misteriosos artefatos (Spark Dolls) que se transformam em monstros gigantes, causando terror e devastação em todo o planeta. Em retaliação, a organização Xio foi formado como um meio para combater esta nova ameaça. Entre os membros dessa organização está Daichi Ozora de 20 anos, um investigador e agente de desenvolvimento que é milagrosamente salvo quando um monstro lhe ataca. Ele é salvo por um ser cósmico e acaba se tornando Ultraman X, o novo protetor da Terra.

O episódio introdutório remete aos passados de Ultraman. Somos apresentados ao cenário de onde vai se passar o seriado, o monstro gigante do dia, a organização Xio e um vislumbre na personalidade dos personagens principais que devem ser aprofundados ao desenrolar da trama. Essa é a trama básica de um episódio piloto de Ultraman, uma tradição que não precisa ser quebrada já que não apresenta defeitos. Existe algumas homenagens nesse episódio introdutório como o monstro "Demaaga" que tem um visual bastante semelhante ao kaiju Gakuma de Ultraman Tiga e lembra um pouco o comportamento do rei dos monstros, Godzilla.

Em termos de ação, "A Voz do Céu Estrelado" foi surpreendente. Há algo mágico e nostálgico sobre o universo Tokusatsu quando vemos miniaturas, maquetes e tudo aquilo sendo explodido e servindo de arena de combate para criaturas gigantescas. Ultraman é o melhor gênero para se apreciar a arte tradicional do Tokusatsu e esse episódio foi uma singela reverência a esse tipo de filmagem desenvolvida por Eiji Tsuburaya. Se Ultraman X continuar beber dessa fonte, não tem como dar errado.

Ultraman X contra Demaaga - Foto: Reprodução episódio

As "Spark Dolls" voltaram, mas devem ser exploradas de uma forma diferente. Em Ultraman Ginga e Ginga S os bonecos vieram como algo para simbolizar o aniversário da Tsuburaya e atingir o público infantil com a venda de brinquedos. Em Ultraman X acredito que elas devem ser abordadas em outro contexto. Apesar de Daichi carregar seu "Gomora" como se fosse seu brinquedo favorito, parece surgir um diferencial entre tentar ser algo só para vendas. Seria interessante ver como a série pode encontrar uma boa maneira de trabalhar o conceito das Spark Dolls não só como um adereço, mas em termos de história também.

Uma época boa para se acompanhar Ultraman - Foto: Reprodução episódio

A trilha sonora me chamou também bastante atenção, conseguiu se adequar aos momentos de tensão e de diálogos entre os personagens. Esse é um dos pontos que mais aprecio em uma série e "X" também me prendeu por causa desse detalhe.

Apesar de ser muito cedo para traçar como a série irá se desenrolar, Ultraman X exerceu bem o seu papel dentro da franquia Ultraman. Tivemos maquetes, monstros gigantes, explosões, um bom plot e é claro a volta do estilo "scfi" que é um elemento importante no seriado. Agora não tem desculpas para não deixar de conferir, já que está sendo disponibilizada em um serviço de stream.

E você, o que achou do primeiro episódio?

Você também pode gostar

Um comentário:

  1. Gostei do episódio-piloto e já estou no quarto. Estou assistindo no Crunchyroll.
    A série está interessante e promete.
    Aproveito a deixa para pedir ao Crunchyroll a exibição dos seriados dos 3 Ultraman Clássicos: Ultraman, Ultraseven e Ultraman Jack (O Regresso de Ultraman).

    ResponderExcluir