sexta-feira, 6 de março de 2015

RetroAnime | Shurato


Olá amigos, quem acompanhou a era de ouro dos animes na televisão brasileira, através de uma das melhores, se não a melhor, emissora de TV aberta, a extinta rede Manchete, com certeza alguma vez você falou junto as palavras mágicas “On Shura Sowaka” de Shurato, hoje trago para vocês essa excelente serie.



Produzido na mesma época de Cavaleiros do Zodiaco, Yu Yu Hakusho, entre outros grandes títulos dessa época, Tenkū Senki Shurato ("A Guerra Celestial de Shurato"), ou simplesmente Shurato, é uma série de mangá que começou a ser publicado no final da década de 1980 no periódico Shonen King da revista Shonen Gahosha e foi animado pelos estúdios da Tatsunoko Productions fez sua estreia na TV Tokyo em 06 de abril de 1989 e continuou até 18 de janeiro de 1990, gerando 38 episódios, ainda que seu final só fosse mostrado na OVA “Sōsei e no Antō” (O Segredo sobre a Criação), composto por 06 episódios lançados entre o final de 1991 e começo de 1992.

Algumas edições internacionais do anime foram feitas, ainda assim os países em que obteve maior sucesso foram Japão, França e Brasil.


Vamos falar um pouco de sua mitologia, o mangá de Shurato tem como base as mitologias, budista e hinduísta, seguindo quase que a risca a última. Nela, o universo divide-se em seis mundos, dos quais fazem parte o Mundo dos Ashuras ("Asura" em japonês e "Ashuras" em indi, adaptado erroneamente como "Asra" em português), Mundo dos Homens ("Chikyū") e o Mundo dos Deuses ("Tenkūkai"), este último sendo o Mundo Celestial do mangá.

Os três deuses maiores do hinduísmo são Shiva, um deus tanto criador quanto destruidor e que nos foi apresentado como o vilão supremo; Brahma, deus criador que em Shurato morreu na batalha celestial há 10.000 anos e após motiva uma busca por seu shakti a fim de descobrir seu sucessor e Vishnu, deus protetor do universo, no mangá representado em uma forma feminina, inspirada na forma como esse deus foi originalmente recebido no Japão. Indra é pai dos deuses e senhor do tempo e clima, enquanto na história é o segundo em comando de Vishnu e a trai, transformando-a em pedra. Os Hachibushu (japonês para Oito Guardiões Mágicos) na mitologia, eles protegem os budistas e mantém a harmonia no universo e são representados pelos Oito Guardiões no mangá.



O enredo fala sobre Shurato Hidaka e Gai Kuroki que são dois melhores amigos de infância e opostos um do outro em aparência e personalidade. Enquanto lutavam um contra o outro na final de um torneio de artes marciais, eles são subitamente encobertos por uma misteriosa luz e transportados para um lugar paralelo, o Mundo Celestial, onde a tecnologia moderna não existe e, ao invés disso, as pessoas dependem de seus souma, uma forma de energia espiritual.


Shurato logo que acorda neste novo ambiente, conhece Rakesh, que se diz apaixonada por ele e descobre que ele é, na verdade, a reencarnação de um rei antigo de mesmo nome, e um dos Hachibushu, um grupo de oito guardiões lendários com alta quantidade de Souma, sendo trazido para aquele mundo com Gai para lutar contra os deuses de Asura, uma legião de guerreiros destrutivos que ameaçam a paz do local. Entretanto, por razões desconhecidas Gai vestido com uma estranha armadura (a qual é conhecida como Shakti) de forma inesperada fica do lado dos deuses de Asura e tenta matar Shurato, confundindo o amigo que não reconhece este Gai maléfico, uma vez que o real é um pacifista e a pessoa com mais compaixão que ele conhece, durante essa luta ele encontra um pequeno artefato em forma de leão, que se transforma em sua armadura que é controlada pelo souma da pessoa que a veste, acaba sendo salvo pela aparição de Leiga (Rei Karla), que leva Rakesh e Shurato para junto de Vishnu, que revela ser ele um dos 08 Hachibushu.


Shurato não aceita todas estas informações e apenas pensa em como encontrar Gai e voltar ao seu mundo, mas seus planos são alterados por ser espectador de uma traição a Vishnu: Mestre Indra, seu maior discípulo, a transforma em pedra.

Ajudado pelo poder de Vishnu, foge do palácio junto de Hyuuga (Rei Celestial) e Rakesh. Indra acusa-os de ter petrificado Vishnu e juntos deverão provar sua inocência e reviver a deusa Vishnu. Depois que descobrem que Indra é o verdadeiro traidor, Ryouma e Leiga se juntam a eles, já os demais guardiões são enganados pelo falso comandante e acabam lutando com seus companheiros.

Algumas curiosidades sobre a franquia:

Shurato surgiu no Japão na época em que Os Cavaleiros do Zodíaco, da Toei Animation, estava em seu auge e produtoras concorrentes faziam sucesso lançando séries seguindo o mesmo padrão, como Samurai Warriors da Sunrise. Foram colocados no mercado alguns produtos que tentassem pegar carona na preferência dos fãs de anime, Shurato foi um deles mesmo com a diferença de mitologia e enredo, mesmo assim carregando algumas outras semelhanças com seu "irmão de armadura", no japão os três animes ficaram conhecidos como o sub-gênero “spirit”.


No Brasil, ele passou bem perto de ser dublado em São Paulo pela Gota Mágica, mas devido a grande demanda de dublagem de animes recebido pelo estúdio devido ao sucesso de Os Cavaleiros do Zodíaco, foi feita na Dublavídeo, que até então possuía tradição maior com filmes. A dublagem de todos os 38 episódios da série foi finalizada em pouco mais de um mês, destacando Marcelo Campos como Shurato.

A dublagem realizada é tida como um dos fatores do sucesso do anime no país, uma vez que permaneceu fiel ao original e ainda introduziu uma nova prática ao traduzir os créditos do original japonês para o português, o que foi seguido por clássicos como Yu Yu Hakusho e mais tarde por Dragon Ball Z.

A dublagem não ficou perfeita por ter modificado certos nomes no anime, traduzindo erroneamente o povo de Ashura como "povo de Asra", trocando o nome do deus Brahma para Brafma para que ele não ficasse com o mesmo nome de uma popular cerveja do país (isso foi uma excelente decisão, para não associar o anime a bebidas alcoólicas), adaptando Leiga o Rei Garuda (Deus com cabeça de ave e corpo humano), porém foi mudado no Brasil para Karla por motivos desconhecidos. Anos mais tarde, Garudamon surgiu em Digimon, não tendo seu nome alterado ele se refere a uma ave da mitologia hindu similar a uma Fênix, para o Rei "Karla" e modificando o nome do personagem Kuuya (o Rei Dappa) para "Kennya".

A música de abertura no Brasil, que é umas das mais bem interpretadas dentre os animes e a letra é fácil de decorar, mesmo após anos sem passar na TV, é inesquecível.

Os três mundos citados no inicio da matéria, são parte dos 06 mundos aos quais Shaka (Os cavaleiros do Zodiaco) envia seus oponentes no seu ataque Ciclo das Seis Existências.

Durante todos os episódios palavras mágicas era ditas antes de cada golpe. O mantra era a forma de liberar o soma e assim utilizar seus golpes mais poderosos. O mantra mais famoso é do próprio Shurato “On Shura Sowaka” usado para ativar o Shakti.



Semana que vem teremos a história do maior jogador de futebol do Japão de todos os tempos... a seleção de ouro do Japão.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário