terça-feira, 9 de outubro de 2018

Batman: Gotham 1889 coloca o Homem-Morcego contra um clássico assassino da Era Vitoriana


Aproveitando o clima de Halloween, resolvi falar sobre algum quadrinho que tivesse um clima voltado mais para o terror ou horror. Inicialmente minha escolha havia sido A Saga do Monstro do Pântano, de Allan Moore, e que começou a ser relançada aqui no Brasil pela Panini. Porém, como não conheço muito do personagem, resolvi não arriscar, então, por este motivo, escolhi outro título, com o qual já estou mais familiarizado.

Como seria se viver em Gotham durante a Era Vitoriana? Será que existiriam similaridades com a Gotham atual? Será que os vilões existiriam nesse período? E, principalmente, será que o Batman existiria? Pois bem, a resposta para todas essas perguntas está em Batman: Gotham 1889, que foi relançado pela Panini em setembro no formado de encadernado.

O encaderno é composto por duas histórias: Batman: Gotham 1889 (título original – Batman: Gotham by Gaslight) e Batman: Mestre do Futuro. Eu irei focar apenas na primeira história, já que ela se encaixa perfeitamente com o clima de suspense e terror que outubro e o Halloween têm.

O Homem-Morcego sempre possuiu um ar de mistério entre os habilitantes de Gotham, porém, ao levar esse personagem para uma época em que a superstição está totalmente presente na vida cotidiana das pessoas, esse mistério se torna muito mais  palpável, já que os habitantes da cidade passam a ver o Batman não como um homem em uma roupa de morcego, mas sim como uma total criatura da noite, um ser movido apenas pelos seus instintos e que pode atacar qualquer pessoa que assim desejar.

Foto: Mega Hero
Como a história se passa na Era Vitoriana, nada melhor do que o vilão da história ser um personagem clássico deste período. Jack, o Estripador, ou como também é conhecido, o Açougueiro de Whitechapel, é o antagonista da história, dando muito trabalho para Batman, já que o assassino é muito difícil, para não dizer impossível, de ser capturado.

O roteiro escrito por Brian Augustyn é totalmente rico em detalhes que remetem ao período vitoriano, fazendo o leitor mergulhar avidamente na história. Além disso, Brian consegue prender a atenção devido a sua narrativa imersiva, que faz com que o leitor fique angustiado ao acompanhar a caçada do Batman por Jack. As reviravoltas que Brian apresenta no roteiro são ótimas, e quando achamos que a história chegou a um beco sem saída, ele nos mostra uma nova direção a ser seguida, que nem sempre acaba sendo a que o leitor esperava.

Em contrapartida, o traço de Michael Mignola pode não agradar a todos, porém, acaba cumprindo o papel de apresentar o ar de mistério e superstição que a história precisa. O roteiro e a arte de Brian e Michael se fundem para criar uma história rica em diálogos, suspense e mistério, tudo com a intenção de acrescentar ainda mais à rica mitologia que existe por trás do Batman. 

Batman: Gotham 1889 é uma ótima história para aqueles que amam uma boa trama de suspense e horror, já que o clima tenso é apresentado logo na primeira página do encadernado. É uma boa leitura para quem prefere passar a noite do Halloween sozinho em casa.

Ficha Técnica
Título: Batman: Gotham 1889
Editora: Panini Comics
Roteiro: Brian Augustyn
Arte: Michael Mignola
Capa: Michael Mignola
Número de páginas: 120

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário