quarta-feira, 12 de setembro de 2018

O Predador é o filme mais visceral da franquia


A quarta aventura de Predador nos cinemas é provavelmente a mais sangrenta e divertida de toda a franquia.

Lançado originalmente em 1987, Predador rapidamente se tornou uma franquia de sucesso. O primeiro longa que tinha Arnold Schwarzenegger como protagonista é considerado um cult entre os fãs do gênero e rendeu duas sequências até 2010. A segunda parte ainda tinha resquícios do primeiro filme, enquanto o terceiro, mesmo que abraçando elementos da mitologia da criatura, não teve uma repercussão considerável.

A criatura que já enfrentou o Xenomorfo (Alien) nos cinemas, precisava de um filme à altura do original e que ao mesmo tempo reinventasse a franquia e cativasse um novo público. E de fato conseguiram.

O novo Predador - Foto: © TM & © 2018 Twentieth Century Fox Film Corporation. All Rights Reserved

O Predador (2018) é dirigido por Shane Black, que curiosamente foi um dos soldados do primeiro filme. Na trama, um garotinho (Jacob Tremblay) encontra o equipamento de um Predador que caiu em nosso planeta, acidentalmente ele aciona um alerta que atrai outro da espécie para a Terra. Um grupo de ex-soldados encabeçado pelo experiente Quinn McKenna (Boyd Holbrook) deverá unir forças para conter essa ameaça interplanetária.

Em busca do tom do filme

O Predador mistura diversos elementos para construir sua história. Em um primeiro momento parece que estamos em um filme ficção científica com todo aquele ar de conspiração. Logo em seguida somos levados em uma montanha russa de ação com muito sangue e uma atmosfera familiar que remete aos anos 80.

A incomum equipe de soldados - Foto: © TM & © 2018 Twentieth Century Fox Film Corporation.
All Rights Reserved

Shane foi cuidadoso em criar um grupo de soldados desajustados que possuem a essência dos personagens que eram retratados décadas atrás. Cada um carrega um estereotipo que não fica cansativo com os exageros e funcionam de forma coesa dentro do enredo. Quinn McKenna e a cientista Casey Bracket (Olivia Munn) equilibram o grupo com um pouco de lucidez. Mas não se engane, toda a equipe de coadjuvantes é realmente relevante e ajudam a sustentar o núcleo dos protagonistas com muito humor e piadas ácidas.

A sensação que temos no final do longa é que foi uma homenagem ao primeiro filme e aos filmes de ação dos anos 1980 com o vigor e nível de produção das produções atuais.

Apresentando o Predador para um novo público

Nosso Predador está de volta! Muito mais mortal que suas encarnações anteriores e muito mais interessante. A criatura teve sua personalidade melhorada e se você achava que ele era inteligente e mortal, irá se surpreender com o nível de violência apresentada e as várias maneiras de matar um ser um humano.

Outras criaturas aparecem no filme, mas prefiro nesse momento não me aprofundar muito nelas, deixo para você descobrir o que elas são. A grande surpresa é claro (não tanta, porque mostraram nos trailers) é o "Mega" Predador. O implacável alienígena aparece no meio do filme e muda todo o jogo! Afinal estamos falando de um Predador de quase três metros! Imagina o estrago que ele faz.

Como derrotar um Predador de três metros? - Foto: © TM & © 2018 Twentieth Century Fox Film Corporation.
All Rights Reserved

A surpresa entretanto é uma expansão da mitologia da franquia. Elementos que comumente foram apresentados em quadrinhos e em jogos, finalmente ganharam espaço nas telonas e são essenciais para que a franquia ganhe fôlego para os próximos anos, afinal foi prometida uma trilogia.

Chegou o momento do Predador?

Depois de um terceiro filme abaixo das produções anteriores, O Predador traz de volta o terrível caçador a um patamar de respeito e rivaliza com produções semelhantes sem ter medo de ousar e trilhar um caminho singular. Se os próximos filmes seguirem essa mesma atmosfera, com certeza iremos ganhar boas produções.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário