sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Boku no Hero Academia detalha o árduo caminho para se tornar um herói


O mundo dos quadrinhos, apesar de muitas vezes ser ligado somente aos grandes heróis ocidentais e suas icônicas histórias, não se estende apenas até este ponto. Dentre uma gama de outros tópicos e fontes, os mangás - os famosos quadrinhos japoneses - desempenham um importante papel nesse universo. Hoje, venho justamente fazer uma breve review de um dos principais títulos atuais deste mercado: Boku no Hero Academia (My Hero Academia) do autor Kohei Horikoshi.

Em um mundo onde a grande maioria da população desenvolveu "dons" - habilidades que permitem a um indivíduo voar, ter super-força, etc. - uma nova profissão surgiu para trazer esperança e proteger a sociedade daqueles que usam seus dons para o mau: heróis. O sonho do jovem Izuku Midorya (Deku) é se tornar um herói e salvar vidas, mas ele logo descobre que não possui um dom, encerrando precocemente a sua futura carreira. Em uma virada do destino, Deku se encontra em frente ao herói número um, All Might, o símbolo da paz, mudando para sempre a vida de ambos.

Boku no Hero, ainda que de origem oriental, possui uma boa parte das suas raízes dos heróis ocidentais. A premissa básica da obra é justamente apresentar pessoas com diferentes poderes que lutam contra o crime com uniformes, máscaras e codinomes, inclusive tendo um dos seus personagens principais, o herói All Might, como uma caricatura do que seria o modelo de um herói ocidental.

All Might, o maior herói de todos, é a representação viva da justiça e da esperança. O personagem foi concebido pelo autor em uma aparência épica e carismática - Foto: Reprodução Internet

Publicado desde 2014 pela Weekly Shonen Jump, o mangá teve um salto de popularidade com o lançamento do anime, que já tem duas temporadas completas e uma terceira encaminhada para abril de 2018. Com um história simples, mas cativante, Boku no Hero Academia conta com um leque de interessantes personagens e que, juntamente ao protagonista, ganham bastante espaço para introdução e desenvolvimento ao longo da obra.

Em especial, a progressão de Deku fica bastante clara, sendo ela bem explorada nos arcos iniciais, quando o personagem está se adequando a sua nova vida e ao árduo caminho para se tornar um herói. Ao mesmo tempo, a relação com o seu colega e rival Katsuki Bakugo funciona bem como uma trama secundária e que não arrasta a história, mostrando, por outro lado, o caminho do herói de um jovem que está em busca de poder e reconhecimento.

Mas a obra vai além disso, a trama principal segue Deku em sua estadia no U.A., o principal colégio de super-heróis, aonde ele vem a conhecer as mais variadas pessoas com os mais diversos dons. Juntos, os jovens desenvolvem suas habilidades e rapidamente são expostos a perigos reais que vão muito além de sua compreensão.

Os ainda aspirantes a heróis precisam encarar uma série de perigos e crescer mais rápido do que imaginavam - Foto: Reprodução Internet.

E esse é um dos pontos mais característicos do mangá. Um grupo de jovens é exposto precocemente a inúmeros perigos, precisando ultrapassar os seus limites para dominá-los, mostrando que a jornada para se tornar um símbolo de esperança começa cedo e testa os protagonistas ao extremo. Ainda assim, a narrativa é muito bem balanceada com um humor bastante agradável e arcos breves, que fazem com que a leitura seja proveitosa e sem grande esforço.

A arte de Kohei Horikoshi é outro destaque que não apenas é bonita e bem definida, como também cria fluidez para as batalhas e muitas explosões, além de dar vida aos personagens de uma maneira envolvente.

A edição brasileira de Boku no Hero Academia - Foto: Mega Hero

Como é de costume dos mangás publicados na Weekly Shonen Jump, a obra é bastante extensa, contando com 16 volumes publicados no Japão (ainda em publicação) e atualmente 8 no Brasil pela Editora JBC. Ainda assim, é um título que vale o investimento, especialmente para aqueles que não estão acostumados com os quadrinhos japoneses. Como comentado, ela traz vários elementos ocidentais em suas páginas e ainda conta com os clássicos clichês dos mangás, mas os usa de uma maneira orgânica.

Boku no Hero Academia é, sem dúvidas, um dos principais pilares dos mangás de ação da atualidade, renovando elementos tradicionais e apresentando uma história direta e agradável de se ler para públicos de diferentes origens, definitivamente valendo a leitura.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário