quinta-feira, 22 de junho de 2017

Em 2013, Super Hero Taisen Z ditava como seria os próximos filmes da franquia


Em 2012 a Toei Company iniciou uma franquia de filmes que se tornaria bastante popular dentro da comunidade de fãs de Tokusatsu, os Super Hero Taisen.

Com uma fórmula básica que consiste em reunir heróis de várias séries de sua autoria, os Super Hero Taisen caíram no gosto dos fãs e ano após ano uma nova versão é criada com outros heróis e melhores efeitos especiais, mas é só isso mesmo?

O primeiro longa intitulado Kamen Rider x Super Sentai: Super Hero Taisen estreou em 2012 nos cinemas japoneses e experimentou pela primeira vez a fórmula citada acima, o resultado foi um filme com enredo fraco e personagens mal desenvolvidos, o fã-service estava ali mas não era forte suficiente para suprir as falhas apresentadas. Um filme de Tokusatsu não precisa necessariamente ser simples e com pouco aprofundamento, temos bons exemplos como Movie War Ultimatum (2012) e Gokaiger vs Gavan (2012) que foram contemporâneos do Super Hero Taisen.

Kamen Rider #2 e Black RX lutando juntos - Foto: Toei Company

No ano seguinte estreava Super Hero Taisen Z (2013) que além de evocar ícones dos Super Sentai e Kamen Rider, apostava pela primeira vez em uma franquia que estava voltando aos poucos à mídia oriental, os Metal Heroes. A trama apresentava mais uma vez Geki (Gavan Type G) que vai até a Terra para descobrir estranhos acontecimentos que envolvem magia e podem destruir todo o universo, ele acaba encontrando Kamen Rider Wizard, o qual a polícia espacial acredita ser o responsável por tais atos. Depois de conhecer Haruto, alter ego de Wizard, Geki reluta em seguir as ordens de Takeshi Ichijoji (o Gavan original) e é demitido. Agora, ao lado de Wizard e outros heróis, ele precisa provar que existe um mal muito maior por trás disso tudo.

"Taisen Z" corrige alguns erros do seu antecessor. Temos poucos personagens realmente relevantes na trama, o que ajuda a desenvolver sub-enredos durante a história como a relação da Yellow Buster e um Buddy-Roid misterioso que cai na Terra. Gai, o Gokai Silver talvez é um dos melhores momentos do filme e traz uma boa dose de humor e seriedade quando contracena com Gavan e passa inclusive um ar de herói veterano ao novato Detetive Espacial. Os fãs de Kamen Rider Wizard podem se desapontar um pouco com o herói, ele pouco aparece em cena, mas nos momentos onde se transforma, é diversão garantida.

Shaider, Gavan e Sharivan da nova geração - Foto: Toei Company

O filme poderia ser ainda mais independente se aproveitasse o grande plot, a volta da Sociedade Secreta Mad (ou Maddou em japonês), principal antagonista de Sharivan (1983), que aliás aparece em Super Hero Taisen Z com um novo herói trajando a armadura vermelha. Os novatos podem ficar a "comer moscas" durante algumas partes do filme, visto que não fazem questão de explicar o que é a Sociedade e como Sharivan se relaciona com ela. Ficando evidente então que tal elemento só foi jogado como fã-service não tendo a obrigação de acrescentar algo mais significativo ao enredo.

Estou escrevendo essa crítica em 2017, quatro ano após o Super Hero Taisen Z e claro, pude acompanhar a evolução desse modelo de filme até o seu mais recente Ultra Super Hero Taisen (2017) e é notório a evolução das produções que agora não só melhoraram em efeitos especiais como também em história e bons diálogos para entregar um produto não só para os fãs mais fevorosos, mas para também aqueles que nunca conheceram os heróis dos Tokusatsu. Mas o primeiro passo com certeza foi dado lá em 2013 com Gavan Type G e Kamen Rider Wizard.

Você também pode gostar

2 comentários:

  1. O primeiro é até q bonzinho mas cagaram em deixar o kaito como vilão e de maneira forçada , mas o seguinte na minha opnião conseguiu ter uma trama bem pior, espero que o desse ano supere os antecessores ^^

    ResponderExcluir
  2. Os Super Hero Taisen são bem zoados. Com certeza é produzido com maior intuito de agradar aos fãs de fanservice e às crianças que só querem ver os heróis em ação.

    Os heróis de várias séries são colocados juntos de maneira forçada, sem um preparo de terreno mais sólido até o momento em que se conhecem. Os filmes que possuem vários Kamen Riders no meio também funcionam dessa maneira.

    Da forma como são feitos, eu prefiro os filmes solo dos Riders. Como não conheço os Metal Heroes e nem sou fã de Super Sentai, está pra sair um filme crossover de Kamen Rider que seja coeso, sem desconsiderar elementos históricos de heróis anteriores e inserí-los na história só pra fanservice. Por enquanto, o melhorzinho que vi foi o último que saiu do Ghost com o Ex-Aid. A maioria dos filmes de KR que gostei foram filmes solos deles com alguma participação do próximo herói.

    ResponderExcluir