segunda-feira, 8 de maio de 2017

Alien Covenant | Missão de colonização em novo planeta termina em desastre

Por Ana Luiza Bélico e Eduardo Bélico

Sem dúvidas, 2017 é o ano da ficção científica. Após a estreia de Vida, Ghost in the Shell e chegada do novo Blade Runner e Star Wars: Os Últimos Jedi, Alien Covenant compõe a cena expandindo importantes elementos da franquia e dando prosseguimento à história iniciada em Prometheus.

Em um momento onde o homem já expande a humanidade para outros lugares no universo, a nave Covenant transporta mais de 2 mil vidas para colonizar um novo planeta. A jornada é, então, interrompida fazendo com que os tripulantes acordassem de seus sonos em criogenia para corrigirem os danos sofridos em um acidente. Após receberem uma transmissão clandestina, a Covenant muda seu curso para um planeta que possui as condições necessárias para habitação humana, colocando em risco suas vidas.

O filme rapidamente constrói uma ambiência de tensão, com mortes imediatas e uma sensação intensa de que tudo está prestes a desandar. E é exatamente isso que acontece assim que os tripulantes da Covenant botam seus pés no desconhecido planeta. Ao tomarem a estúpida decisão de desbravar um ambiente com formas de vida e atmosfera desconhecidas sem as devidas proteções (inclusive, sem capacetes ou máscaras), a equipe passa a perder seus membros numa velocidade alarmante.

Era comum em produções cinematográficas mais antigas, especialmente nos gêneros terror e ficção, existirem personagens com conhecimentos e escolhas questionáveis, uma vez que não havia tanta exigência do público e não se questionava tanto os níveis de inteligência abordado na obra.

Hoje, por outro lado, o expectador, ao assistir um filme, tem a tendência de comparar as escolhas dos personagens às suas próprias, além de que o público em geral já possui uma abrangência muito maior de conhecimentos. Assim, erros banais como não usar uma máscara em um planeta desconhecido, não são mais aceitáveis e prejudicam o desenvolvimento da trama.

Em Alien Covenant, as escolhas nada inteligentes dos protagonistas trazem repercussões imediatas e que poderiam ter um caminho melhor trabalhado. Assim como é abordado na narrativa, o Alien é uma máquina de matar em si, extremamente inteligente e perspicaz. Por isso, não há necessidade nenhuma de que suas vítimas precisem ser estúpidas para que tenha sucesso em mata-las. Isso fica muito claro nos primeiros filmes da franquia, nos quais Ripley dá tudo de si e se torna uma sobrevivente memorável.

Acostumados justamente com uma Ripley, é difícil acompanhar o desenvolvimento da trama com personagens que não conseguem deixar sua marca e nem serem facilmente lembrados e reconhecidos durante o desenvolvimento da história.

Dito isso, é evidente que em um filme de Alien haveriam muitas mortes, mas as escolhas do diretor e roteirista acabam prejudicando a construção da história que tem sua base bem construída para enriquecer a mitologia da franquia.


Um ponto positivo para Convenant é a continuidade no uso dos androides, que conseguem se destacar mais do que os demais tripulantes, tomando as decisões e ações que irão causar o maior impacto, seja ele positivo ou negativo, mesmo não sendo humanos. Walter (Michael Fassbender), o novo e mais avançado androide, acompanha esta expedição e acaba tornando-se a chave para o grande desfecho do filme.

Ainda, o longa consegue explorar bem os estágios do desenvolvimento do Alien, aproveitando os links deixados em Prometheus, assim como os fatos já conhecidos sobre ele nos filmes anteriores. Apesar de não ser, pela maior parte da trama, o seu foco, o Alien se torna a principal ameaça no terceiro ato do filme, ganhando seu merecido destaque.

Ridley Scott, mais uma vez, apresenta novas e criativas mortes, fazendo bom uso do Alien como uma ameaça real e extremamente perigosa.  Uma questão bastante positiva do longa é que a criatura não precisa aparecer a todo momento, funcionando mais como um eficaz produtor de medo.

Desse pouco que é mostrado, mais de uma forma do xenomorfo é trabalhada no longa, cada qual com seu visual único e justificável.

A história contada em Covenant abre uma série de portas para novas teorias sobre o surgimento e desenvolvimento do Alien, apresentando referências que somente os muito fãs da franquia irão perceber, além de levar o espectador a um inevitável desfecho digno de um futuro sem esperanças.

Alien Covenant falha em apresentar personagens empáticos e bem desenvolvidos, mas aproveita bem a maior pare do enredo, utilizando grande parte dos seus esforços para expandir o folclore do Alien dando continuidade a um universo que já estava em construção desde o colapso da nave Prometheus.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário