sexta-feira, 10 de março de 2017

MonsterVerse e a solução da Terra Oca


Essa semana estreia nos cinemas mundiais o filme Kong: A Ilha da Caveira, segundo filme que faz parte do universo compartilhado de monstros da Legendary.




Atenção, essa matéria pode revelar detalhes de Kong: A Ilha da Caveira.

Faz pouco tempo desde que foi confirmado que teríamos uma saga de filmes com monstros populares do cinema. Ao fim de Godzilla de 2014 não tivemos muitas pontas soltas mas com a confirmação da sequência e um longa metragem com o símio mais famoso da cultura pop, muitas especulações começaram a ser formadas e tudo isso culminou um pouco tempo depois com o anúncio de Godzilla vs King Kong e que outros monstros da Toho (empresa detentora do Rei dos Monstros) iriam aparecer nas telonas. Mas como explicar tudo isso para uma geração?

Godzilla foi o primeiro no universo lá em 2014 - Foto: Reprodução internet

Para os fãs de longa data dos filmes de Godzilla (e tem muitos filmes), os Kaijus que contracenam com o Rei dos Monstros sempre aparecem de forma inusitadas, alguns vem do espaço outras são criaturas misticas enquanto outra parcela são criações do homem. Para um universo "verossímil" (sim coloquei aspas porque não tem como um mundo real com essas criaturas), a Legendary buscou inspiração em antigas lendas e teorias que fazem tudo ficar mais amarrado e coerente.

Em Kong: A Ilha da Caveira que apesar de se passar em 1973, temos os primeiros passos da Monarch, uma organização fundada em 1946 que tem como objetivo identificar organismos não identificados colossais. Nos quadrinhos do MonsterVerse, a Monarch foi a primeira unidade mista Japão e Estados Unidos após a segunda guerra mundial. A organização cientifica secreta se pauta em uma teoria antiga que foi defendida inicialmente por Edmund Halley no século 17 e que mais tarde iria tomar proporções maiores, a teoria da Terra Oca.

Apesar da versão de Halley afirmar que a Terra é dividida em quatro camadas e possui um sol interno, a apresenta em Kong se assemelha mais a de John Symmes, que, além de acreditar que o nosso planeta era oco, dizia que existiam duas entradas nos polos terrestres - com quase 6.500 e quase 9.700 quilômetros de diâmetro respectivamente - para esse mundo interior.

O consistente Kong: A Ilha da Caveira abre muitas portas no MonsterVerse, ou diria túneis? - Foto: Reprodução internet

Com o passar dos anos e do avanço tecnológico ficou evidente que todos os dois estavam enganados e tudo isso passou a ser fantasia e ficção. Júlio Verne foi o que melhor transformou "A Terra Oca" em literatura criando o fantástico "Viagem ao Centro da Terra". Voltando a "Kong", a ideia de termos grandes tuneis dentro do nosso planeta e cavernas gigantescas, é a solução perfeita para abrigar criaturas enormes como Godzilla, Mothra, Rodan e King Ghidorah que já foram confirmados nos próximos filmes.

Ainda pode parecer muito cedo para teorizar sobre os futuros filmes com os monstros do Tokusatsu, mas uma coisa podemos confirmar é que se seguirem esses passos, teremos um universo interessante e com múltiplas possibilidades de ser explorado. Aguardemos agora Godzilla II.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário