segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Kyuranger, um recomeço nos Super Sentai


Kyuranger é a grande estreia da semana no Japão e claro que o Mega Hero não ia deixar de comentar essa novidade do universo Tokusatsu.

Com quarenta anos de produção, a franquia Super Sentai, uma das obras primas de Shotaro Ishinomori, cativa gerações a décadas e com muita criatividade a equipe de produção do seriado ano após ano precisa reinventar o formato sem demonstrar cansaço. Apesar de tentarem manter um padrão de qualidade, assim como qualquer seriado, os Super Sentai tiveram seus altos e baixos ao longo do tempo.

Tivemos fãs que abandonaram as histórias dos heróis coloridos mas por outro lado sempre novas pessoas acabam se encantando com os Sentai. Eu me encaixo no grupo de pessoas que até algum tempo não acreditava mais no potencial do programa. Desde 2011 as únicas séries que conseguiram realmente me chamar atenção foram os Go-Busters de 2012 e os Zyuohger de 2016. E ai entra uma parte interessante que eu costumo frisar: As vezes a estética e um bom episódio introdutório são suficientes para prender o telespectador. Claro que não estou descartando as séries Kyoryuger (2013), ToQger (2014) e Ninninger (2015), acredito que todas elas possuam seus pontos positivos, mas não me atraíram naquele momento.

Kyuranger estreia em um período onde o gênero de ficção cientifica e aventura está em alta nos cinemas e na televisão. Com a volta de Star Wars (que irei comentar um pouco mais abaixo) e séries como Westworld da HBO e o novo filme de Power Rangers que estreia esse ano, a Toei Company responsável pelos Super Sentai também precisou de alguma forma surfar nessa onda, ou melhor "pegar carona nessa cauda de cometa".

Chameleon Green, Kajiki Yellow e Oushi Black - Foto: Toei Company

O primeiro episódio intitulado "Space 1: The Greatest Superstar in the Universe", não apresenta uma trama profunda mas é o suficiente para despertar interesse em fãs e não fãs do gênero. A trama se passa em um futuro distante, onde o universo foi deixado em lágrimas. Os 88 sistemas estelares, uma vez separados sob seu próprio poder, foram conquistados e trazido sob uma nave ditadora, a Space Shogunate Jark Matter. Todas as esperanças parecem perdidas, contudo, uma lenda tinha sido transmitida através do universo. "Quando os habitantes do universo experimentam perda e são trazidos a lágrimas, nove Ultimate Saviors aparecerão e salvarão o universo!".

Somos transportados ao planeta Krotos, onde três guerreiros (Hammi, Champ e Spada) estão lutando contra o grande exército de Jark Matter. Como obra do acaso, um viajante do espaço determinado a ser herói aparece no meio do combate, o sempre otimista Lucky. Entendemos um pouco mais sobre a lenda dos guerreiros que irão salvar o universo, eventualmente ainda nesse episódio temos a transformação de Lucky no Ranger Vermelho, mas não foi essa que me chamou atenção. Antes de entrar no personagem que achei mais interessante no episódio, gostaria de destacar alguns pontos que fazem de "Space 1" uma ótima introdução.

Lucky será um grande herói no novo Super Sentai? - Foto: Toei Company

Os que não acompanham os Super Sentai podem ficar chocados com a grande quantidade de efeitos especiais e cenários bem bolados, mas essa evolução na estética já pôde ser vista na antecessora Zyuohger. Fico contente em ver que a Toei está disposta em investir mais na franquia assim como faz com a parceira Kamen Rider que divide o mesmo bloco de programação na TV Asahi. As comparações com Star Wars não poderão ser esquecidas, afinal a própria Bandai America comentou que a saga de George Lucas influenciou bastante no novo seriado. Temos um vilão que remete imediatamente a Palpatine (ou até mesmo Snoke) e é claro a "Aliança Rebelde" que precisa salvar os 88 sistemas solares.

Lucky pilota o Shishi Voyager no final do episódio - Foto: Toei Company

O mecha principal é muito bonito e a forma que ele é montado é bem coerente com tudo que foi mostrado de Kyuranger até o momento. Kyuren-Oh se assemelha mais aos antigos robôs da franquia e parece menos com um brinquedo, o que foi uma reclamação constante de boa parte da comunidade fãs. Por fim e não deixei por último por acaso, foi o personagem Garu. Eu sempre fui bastante relutante com o uso de fantasias em personagens, mas que bom que estamos sempre em evolução. A trama do personagem apesar de breve é bastante interessante e pra mim é um grande motivo para o mesmo fazer parte da equipe como Ranger Azul. Apesar de ser "uma fantasia", Garu é bem expressivo e se explorado com cuidado vai se tornar um grande personagem.

"Os Grandes Heróis do Universo", ainda que não revele muita história, é um chamariz para crianças com seus grandes efeitos visuais e também para os fãs mais velhos graças aos seus cenários e a imersão em uma tématica que pouco foi explorada dessa forma nos Super Sentai. Aguardemos agora o próximo episódio.

Você também pode gostar

3 comentários:

  1. Concordo plenamente acho sim que deve mudar a formula que bom que esse novo sentai propos isso

    ResponderExcluir
  2. Kyuranger se manter essa intensidade , pode entrar no hall dos melhores super sentais como Changeman, Flashman, Gokaiger e Go-busters(o design e o material dos trajes para mim é um dos mais bem feitos pela Toei). Acompanhei o ep 1 e gostei muito, depois de um certo tempo, finalmente um sentai bom para seguir. Sucesso a essa nova série.

    ResponderExcluir
  3. Gostei do visual e dos efeitos, mas achei a história decepcionante. Bons seriados se fazem também com bons vilões, e, ao que parece, os vilões de Kyuranger só aparecerão para apanhar.
    Uma história sem drama, muita ação e enredo superficial.
    Ponto alto para o robô - realmente, um visual excelente, principalmente se compararmos aos últimos sentais desde Go-busters.

    ResponderExcluir