terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Intensas cenas de ação unem passado e presente em Assassin's Creed


Adaptações cinematográficas de games nem sempre alcançam o sucesso almejado, sendo alvos de extensas críticas que, na maioria dos casos, não se mostram completamente infundadas. Talvez por esse olhar crítico ou pela vontade dos fãs de assistirem seus games favoritos bem representados, bastante atenção tem sido dada a esses filmes, o que não é diferente no caso de Assassin's Creed, que chega aos cinemas dirigido por Justin Kurzel (Macbeth: Ambição e Guerra).

No longa, Callum Lynch (Michael Fassbender) é procurado pela misteriosa empresa Abstergo, por meio da qual descobre ser descendente de um membro do antigo Credo dos Assassinos, conhecido como Aguilar. Através do projeto Animus liderado pela Dra. Sophia Rikkin (Marion Cotillard), Callum passa a reviver as experiências de seu ancestral durante a inquisição espanhola do século XV, devendo lidar com seus dilemas pessoais e com o real objetivo da Abstergo.

Assassin's Creed é uma adaptação da renomada franquia de games de mesmo nome, famosa por explorar o conflito entre o Credo dos Assassinos e a Ordem Templária nos mais diversos períodos da história pelo mundo todo. Nos games, geralmente através da pele de um assassino, o uso de inúmeras técnicas de assassinato e infiltração, assim como as impressionantes escaladas e o parkour, tornaram-se verdadeiras marcas da franquia.

O filme, por sua vez, é apresentado com roteiro original, buscando explorar acontecimentos históricos diferentes aos já utilizados nos games, enquanto mantém seu foco principalmente nos acontecimentos do presente. Os dilemas entre Callum e seu pai acabam tomando muito mais tempo da narrativa do que seria ideal, revelando uma preocupação em tornar o personagem "mais real", do que efetivamente entrelaçar a história do presente, com a vivência histórica de Aguilar.

O assassino Aguilar em meio à Inquisição Espanhola de 1492 - Foto: Reprodução/20th Century Fox

Tendo como pano de fundo a inquisição espanhola, muito poderia ter sido explorado, ficando perceptível a falta de acontecimentos históricos para enriquecer a trama e desenvolver o ancestral de Callum. Ao invés disso, apenas alguns elementos da inquisição podem ser encontrados e o passado é usado para reproduzir cenas de ação, atrás de cenas de ação.

Um elemento dos games que ajudou a estabelecer a franquia, foi o investimento dado aos ancestrais nos primeiros jogos (a exemplo do personagem Ezio em Assassin's Creed II), não utilizando-os apenas como peças de um jogo de ação, mas sim com um verdadeiro desenvolvimento emocional através de eventos históricos. No longa, por outro lado, Aguilar é usado apenas como uma peça do passado e não passa qualquer carisma.

Já de um lado positivo, outros elementos clássicos são bem utilizados, como a desenvoltura para o combate com armas dos assassinos e as impressionantes cenas de parkour. Toda a parte da ação também é muito bem produzida, com acrobacias bem integradas e batalhas bem organizadas, mesmo que sobreponham-se à história em demasiado.

Talvez um dos maiores problemas da adaptação recaia sobre sua cinematografia. O filme é todo apresentado como se tivesse um filtro reduzindo a nitidez da imagem, ficando marcado pelos cantos escuros e inúmeras cenas contra a luz, que acabam escurecendo o filme ainda mais, além de uma filmagem tremida durante as cenas de ação que dificultam a visualização no geral. Outro destaque negativo é o barulho excessivo, que combinado aos outros fatores, parece ter sido escolhido para confundir e atordoar o espectador.
Sophia (Marion Cotillard) introduz Callum (Michael Fassbender) à Abstergo - Foto: Reprodução/20th Century Fox

O uso excessivo de filmagens cinematográficas de paisagem também poderia ser melhor dosado, reservando esse tempo para maior desenvoltura do passado. O período gasto nas instalações da Abstergo e na aproximação entre Callum e Sophia acaba não sendo tão interessante, não chegando a produzir grandes frutos ao final da trama.

Sob uma visão geral, o filme acaba funcionando muito melhor como mais um projeto de ação, no qual não se pode pensar muito nos fatos sem que se encontre uma série de inconsistências. Ainda, não se revela um fracasso total, como muito tem se difundido pelos grandes veículos de informação, podendo ter seus destaques positivos reconhecidos e seus negativos anotados para uma futura continuação.

Assassin's Creed peca no desenvolvimento da história, caindo em algumas armadilhas evitáveis, mas apresenta material para um filme de ação, com cenas de luta bem produzidas e perseguições notáveis.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário