domingo, 11 de dezembro de 2016

CCXP 2016 | O Brasil é o novo polo Geek


Viver um sonho, fazer parte do universo Geek por quatro dias. É o que promete a Comic Con Experience, o maior evento voltado a um dos públicos que mais consomem conteúdo no mundo inteiro.

Recentemente aqui mesmo no Mega Hero, abri uma discussão onde afirmei que o modelo de eventos criado pela CCXP seria definitivo para mudar o mercado nerd ou geek (como preferir) aqui no Brasil. A versão abrasileirada da Comic Con reúne todos os elementos das suas vizinhas da América do Norte e os colocam em um patamar nunca antes visto. Estou sendo megalomaníaco?

O Castelo do Omelete, um dos idealizadores do evento - Foto: Mega Hero

Tive o prazer de presenciar duas edições da Comic Con Experience e abrir um comparativo entre ambas. Em 2015 era a minha primeira vez e assim como a Ana Luiza que escreveu uma crítica sobre a feira, fiquei extasiado com a quantidade de conteúdo para ser consumido. Tinha apenas como parâmetro os eventos de cultura oriental que aconteciam em São Paulo e em outras localidades. O que eu vi naquele ano no Centro de Convenções de SP estava muito além do imaginado.

A gigantesca Netflix que retornou na edição desse ano - Foto: Mega Hero

No final da edição de 2015 a equipe envolvida no evento já anunciava as datas para sua terceira edição e eu não conseguia imaginar o que mais poderia ser feito dentro do que eu tinha visto. Para minha surpresa, alguns meses depois a produção anunciou que a CCXP ficaria maior em decorrência da ampliação do centro de convenções, algo que já era visível em 2015 com as obras que estavam acontecendo em paralelo com a Comic Con. Se na segunda edição eu já estava exausto de tanto andar, não queria nem pensar no ano seguinte.

Para explorar o evento era necessário um mapa para não perder nenhum detalhe - Foto: Mega Hero

Nosso site mais uma vez foi convidado para cobrir o evento com credenciais para a Quinta e Sexta-Feira e diferente do ano anterior, fomos deslocados para uma outra entrada. A sorte é que no horário da abertura dos portões nosso grupo e os colegas de imprensa ti,vemos a oportunidade de caminhar na CCXP ainda com poucas pessoas, o que ajudou muito para entender a dimensão da terceira edição da feira.

Os estandes colossais muito bem posicionados e o Auditório Cinemark chamando a atenção logo no comecinho foram alguns dos pontos positivos que enxergamos no primeiro momento. A CCXP está crescendo junto com o seu público e atendendo a demanda do mesmo. Com um evento mais espaçoso, a produção conseguiu repensar diversos elementos como praças de alimentação maiores e espalhadas por todo o espaço, locais para descanso e os outros auditórios foram deslocados para um andar superior o que acarretou em um número maior de estandes nas áreas onde anteriormente eles estavam localizados.

Público circula no maior evento de cultura geek da América Latina - Foto: Mega Hero

Fiquei contente em ver que diversas marcas presentes na edição de 2015 retornaram e outras que nem sequer imaginava como a loja Riachuelo, acreditaram no potencial do evento e no público consumidor. Muita gente acordou e descobriu que esse mercado deve ser explorado e não segmentado.

Parece que a parceria do Omelete com a Piziitoys e a Chiaroscuro Studios deu certo. Enquanto outros eventos parecem ter receio de expandir a cultura nerd nas suas diversas manifestações, a Comic Con Experience sai da zona de conforto e traz uma experiência única e alcança um lugar de destaque, onde todos podem se divertir e viver um sonho que é estar rodeado de tudo que gosta. Nos vemos em 2017.

Você também pode gostar

Um comentário:

  1. o foda é ke SSA dificilmente sera um grande polo geek... afinal a estrutura aqui tá arcaica

    ResponderExcluir