sábado, 31 de maio de 2014

Mahouka Koukou no Rettousei | Review do Anime (Parte I)


Mahouka Koukou no Reittousei é a adaptação da light novel de mesmo nome escrita por Satou Tsutomu e ilustrado por Ishida Kana e apresenta um mundo onde a magia se tornou um recurso importante e sinônimo de poder militar. O anime se passa Universidade Federal de Magia, onde os estudantes são divididos em duas turmas de acordo com seu desempenho nos exames de admissão.

Atenção, o Review à seguir é referente aos episódios 01 a 07 e contém Spoilers
Leonardo Souza

Eu não estava muito animado com esse anime depois da minha ligeira decepção com Mahou Sensou a alguns meses atrás, mas, eu estava felizmente enganado, o que acontece com uma certa frequência para ser sincero.

Esse anime é bem mais sólido e possui mais elementos para validar o cenário da história. O fato de ser um futuro próximo torna o trabalho de fazer um ambiente convincente um pouco mais fácil, foi uma aposta segura do autor que trouxe alguns detalhes que deram algum charme a série.

Os personagens dá série precisam usar dispositivos mágicos chamados CADs para utilizar magia, e esses dispositivos são coisas relativamente comuns como luvas, soqueiras, smartphones, pistolas que são perfeitamente justificáveis pela proximidade temporal.

O elemento social, a divisão e a discriminação entre as turmas de estudantes devido ao desempenho entre os que podem e os que não podem utilizar magia é muito bem vindo. Nem sempre é comum encontrar elementos sociais complexos nas histórias e ainda mais poder ver como eles influenciam diversos aspectos da história assim como afetar diretamente os personagens.

A preocupação do Conselho Estudantil em reverter a discriminação dentro da escolha permite que o personagem principal, Shiba Tatsuya, se integre com certa naturalidade a dinâmica da escola em uma posição vantajosa que até agora foi essencial para o desenrolar do roteiro nos últimos episódios. E a discriminação geral entre pessoas que podem e as que não podem usar magia é o elemento que justifica a existência da Blanche, a Organização Política Internacional Anti-Magia, que, no momento, é a antagonista da série.


Os personagens que se destacam são diversificados em relação a suas personalidades e suas habilidades de combate. Tatsuya possui habilidades de combate físico refinadas e um grande entendimento de magia. Erika possui suas habilidades de aceleração e sua personalidade vívida. Miyuki possui suas magias congelantes e sua personalidade controlada em conjunto com seu ciúme ocasional. Leonhard possui suas magias de reforço e um ímpeto destrutivo. Eu me sinto bem servido por esses e outros personagens da série que surgiram até agora.

Shiba Tatsuya é o personagem principal e possui uma personalidade séria. Ele é analítico e inteligente. Eu temia que ele não passaria disse, mas ele tem demonstrado gradualmente um lado mais sarcástico e inquisitivo assim como uma considerável quantidade de obstinação que dão mais complexidade a personalidade dele.

O personagem possui uma considerável gama de habilidades quando se trata de magia e combate físico, mas, felizmente possui uma fraqueza fundamental quanto se trata de conjurar feitiços,o que é o motivo de ele estar na segunda turma. Será interessante ver como esse problema se tornará um empecilho ao longo da série, e é essencial que esse empecilho exista para manter a credibilidade do personagem.

Tatsuya também precisa lidar com a situação conturbada com sua família e com sua situação de guardião de sua irmã, Shiba Miyuki, o que deve se tornar um ponto importante da série, considerando o quanto foi apontado a importância das famílias na esfera social da história.

Uma das parte mais interessante do personagem é o interesse por engenharia mágica apesar das habilidades de combate que ele possui. Isso adiciona um objetivo pessoal que fortalece a personalidade dele e me deixa na expectativa de que o anime demonstre ideias interessantes relacionadas a magia como equipamentos e armas mágicas mais complexas.

Falando de armas, um elemento importante da série é que a magia, como eu falei anteriormente, é um aparato de guerra. A série deixa claro que a escola têm um caráter militar apesar de permitir que alguns personagens ocasionalmente neguem isso.

Os episódios 5 e 6 deixaram bem claro o aspecto militar da escola e demonstraram o quão potente é a magia e os personagens em termos de combate. O fato da magia ser um instrumento bélico de tamanho poder é essencial para dar suporte as ações terroristas da Blanche e a necessidade de eles fazerem uma investida armada ao que a primeira vista parece uma escola comum.


Por último, eu gostaria de comentar um pouco sobre o elemento romântico da série. A ideia de amor proibido é atrativa, afinal uma das história de amor mais famosas do mundo, Romeu e Julieta, é, de fato, um amor proibido. A relação afetiva entre Tatsuya e sua irmã, Miyuki, possui várias faces e é representada através de drama e humor e tem uma qualidade superior a outras tentativas de introduzir romance em um shonen. É uma boa opção para quem está procurando um pouco mais de romance nos animes.

Eu vou continuar acompanhado o anime e espero ver um pouco mais desse mundo onde a guerra é reinada pela magia e espero que continuar aproveitando a série e espero que vocês também aproveitem.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário