segunda-feira, 13 de maio de 2013

Sharivan, 30 anos do policial do espaço

No início do ano de 1990, no auge dos tokusatsus no Brasil graças ao sucesso de Jaspion, Changeman, Jiraiya e outros na extinta Rede Manchete, a Rede Bandeirantes (ou BAND, se preferirem) resolveu investir no gênero em sua programação. A emissora paulista resolveu trazer ao Brasil quatro séries de gêneros distintos: dois da franquia Metal Hero, um Super Sentai e outro que aparentemente não se enquadra em nenhum gênero de tokusatsu, mas que eu considero um Henshin Hero. São eles, Goggle Five, Machine Man, Metalder – O Homem-Máquina e Sharivan, este último, uma tentativa da Bandeirantes em trazer para a emissora o público que curtia o Jaspion, uma vez que o visual e o estilo da série lembravam bastante o herói famoso da emissora concorrente.

Por Hakaider (Colaborador)


Apesar de ter sido anunciado na sua programação para o primeiro semestre daquele ano, somente Metalder, Goggle Five e Machine Man estrearam como atração do programa infantil Zê-Ypsilon-Bem-Bom, durante as tardes, às 16 horas, rivalizando praticamente no mesmo horário com o programa Clube da Criança (apresentado pela Angélica), da Rede Manchete (este começava às 17 horas). Paralelo as exibições pela tarde, a Bandeirante inovou, colocando esses três tokusatsus sendo exibidos à noite em horário nobre, a partir das 20 horas, algo que nem a Manchete até aquele momento tinha se atrevido a fazer, visto que o público para o horário era outro. As séries eram revezadas durante a semana, do mesmo modo como eram exibidas à tarde: Goggle Five era apresentado todos os dias, seguido de Machine Man (as Segundas, Quartas e Sextas) e Metalder (as Terças e Quintas). Porém, até início do segundo semestre, ainda não haviam anunciado a estreia de Sharivan, provavelmente, a emissora guardou o Metal Hero como uma “carta na manga”, na esperança de que caso houvesse um sucesso estrondoso das três primeiras séries que estrearam no início do ano, fariam uma espécie de marketing em cima do Policial do Espaço no intuito de chamar ainda mais a audiência dos fãs. Como infelizmente, o investimento da emissora não estava dando o retorno desejado – com certeza por conta do desgaste que o gênero já mostrava perante o público, em consequência das reprises desenfreadas que a Rede Manchete fazia – a Bandeirantes resolveu tirar da gaveta Sharivan, anunciando sua estreia em outubro daquele ano, como parte da programação da Semana da Criança.

Sharivan estréia na TV

Uchuu Keiji Shariban, ou seu título no Brasil, Sharivan – O Guardião do Espaço teve uma estreia modesta na emissora, que decidiu exibi-lo todos os dias. Fãs dos tokusatsus que não tiravam os olhos da Rede Manchete – mesmo que já tivessem assistido trocentas vezes o mesmo episódio das séries que eram exibidas naquele canal – com certeza se interessou em conhecer o novo herói, afinal, além das semelhanças com o Tarzan Galáctico, havia também um atrativo a mais: o herói Dan Iga/Sharivan era vivido pelo ator/dublê Hiroshi Watari, que já era conhecido dos fãs ao interpretar o Boomerman em Jaspion (lembrando que Spielvan ainda não havia estreado na Manchete, que só traria a série no ano seguinte, em 1991, com o título picareta de Jaspion 2).

Os vilões de Sharivan. Da esquerda para direita: Maoh Saiki, Dra. Porter, General Gailer, Miss Akuma 1 e 2, Leider e os soldados Saikier.
Sharivan ficou na grade da emissora paulista somente naquele semestre, vindo a sucumbir da programação definitivamente no início de 1991. Nesse período, a Rede Globo se rende e anuncia a estreia de três séries tokusatsus que entrariam em sua grade naquele ano: Bycrossers, Shaider e Gavan (estes dois últimos também do gênero Uchuu Keiji/Policiais do Espaço). Gavan (que no Brasil foi teve o título alterado para Space Cop) antecedeu Sharivan e Shaider veio posteriormente, porém foram exibidos numa ordem fora da cronologia original, uma vez que as três séries são continuações diretas e isso atrapalhou um pouco a cabeça – já tão tumultuada de tantos heróis – dos fãs que ainda insistiam em continuar a rever a reprises da Manchete... Para piorar, a Globo dublou seus tokusatsus no Rio de Janeiro, com isso, quem estava acostumado ao assistir Sharivan, tiveram que se contentarem em vê-lo dublado com outra voz, quando este apareceu nos últimos episódios de Gavan, fora os erros de tradução horríveis que a série teve! Mas enfim, de qualquer modo as três séries de Policiais do Espaço, chegaram a serem exibidas completamente nas duas emissoras. Voltando a falar sobre Sharivan...

A história de Sharivan

Sharivan conta a história de Dan Iga, um jovem oriundo da Ilha Iga. Após receber treinamento de Gavan na Estrela Bird, ele assume o posto de Policial do Espaço na Terra como Patrulheiro Florestal. Por sua vez, Gavan torna-se Capitão, orientando o jovem sempre que necessário. Além do apoio de Gavan, Dan Iga também recebe ordens do Comandante Kom, e conta com uma assistente, Lili, uma nativa do Planeta Bird em suas missões.

Lili e Dan Iga (Sharivan)
Como qualquer herói do gênero, Sharivan possui equipamentos poderosos que o auxiliam a enfrentar seus inimigos. São eles: A Nave Grand Bus, que pode se converter num robô e que usa como arma principal, o Canhão de Plasma, além de poder disparar mísseis e raios lasers; o Tanque Sharinger, também capaz de lançar mísseis e lasers, e que está acoplado com o mogriran, uma perfuratriz gigante que é ativada sempre que necessário; e a Moto Sharian, que auxilia o herói a penetrar no Mundo da Alucinação, além de também poder disparar foguetes e raios. Com esses veículos e armas Sharivan enfrenta seu primeiro grande desafio na Terra como Policial do Espaço, a Organização Criminosa MAD.

Hellen Bell e Sharivan
Com o objetivo de dominar o Universo, essa terrível Organização fica situada numa enorme fortaleza voadora, o Castelo da Alucinação. O MAD utiliza-se da alucinação como meio para dominar os seres vivos e assim, conquistar os planetas que eles habitam. Liderados por Maoh Saiki, uma criatura gigantesca que só vive sentado num trono, parecendo uma estátua, com exceção dos seus braços que são as únicas coisas que se movimentam.

Além dessa criatura bizarra, fazem parte de MAD: a cientista Doutora Porter, segunda no comando da Organização; o General Gailer, dono de uma cabeleira bizarra, o cara parece o Tarcísio Meira! Não gosta de Porter, mas se submete as suas ordens, porém, vez ou outra entram em atrito, tendo que ser interferidos por Maoh Saiki; Akuma 01 e 02, duas assistentes sem muita importância na série; completando estão os Soldados Saikier, cuja a função é apenas levar sopapos e golpes de espada do herói (aliás como em toda a série tokusatsus que se preze).

Sharivan enfrentando o General Gailer
No decorrer dos episódios surge o terrível Leider, um feiticeiro espacial que deixa um clima pesado à trama. No início, ele une-se ao MAD, mas com o tempo começa fazer intrigas entre os integrantes da organização. Sem dúvida, um dos mais perigosos vilões que Sharivan enfrentou... Perto do final da série surge o Rei Gamagon, uma horripilante cabeça de réptil do tamanho de um automóvel, que possuí uma língua gigantesca fazendo uso dela para, literalmente, devorar suas presas! Não posso deixar de citar também um ser misterioso, careca, vestido com um terno branco, que aparecia praticamente em todos os episódios observando secretamente Sharivan. Somente no final do seriado nos é revelada sua verdadeira identidade.

Sobre a série

Sharivan foi a segunda série da franquia Metal Hero a ser exibida no Japão, entre 1983 a 1984. Manteve o sucesso do seu antecessor em audiência, porém não chegou a superá-lo, aliás, nenhuma série desse gênero (até Robotack, de 1998) conseguiu os mesmos índices de audiência que Gavan teve, sempre ficavam no limiar entre o sucesso mediano e o fracasso. Ainda assim, satisfeita com o desempenho de Sharivan, a TOEI Company tratou logo de dar continuidade a franquia lançando no ano seguinte mais uma série do gênero Policiais do Espaço, surgindo assim Shaider.

Um policial do espaço com bastante carisma e força de combate
Sharivan não mostrou muitas novidades, porém por ter sido a primeira série da trilogia que assisti, tenho uma preferência por essa em especial. Lembro que quando acompanhava na época, houveram episódios que me prenderam diante da TV, principalmente da fase em que o Feiticeiro Leider surge. A presença de Hiroshi Watari é um destaque a parte, seja atuando ou fazendo cenas de ação, o cara realmente é um dos grandes nomes dos tokusatsus (especialmente para nós brasileiros), ao lado de Kenji Ohba, Junichi Haruta e Seiki Kurosaki.

Considerações finais

Esse ano, Sharivan completa 30 anos de sua primeira exibição nas TVs japonesas. No ano passado, a TOEI lançou filme Uchuu Keiji Gavan – The Movie, em comemoração ao aniversário da franquia Metal Heroes. Neste filme há a participação do Sharivan, que foi interpretado pelo ator Kai Hyuga, infelizmente, Hiroshi Watari não aparece nesse filme. Sharivan deixou saudades nos corações de muitos fãs brasileiros que tiveram a oportunidade de acompanhar essa boa série na época em que foi exibida.

Você também pode gostar