sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Elektra enfrenta a si mesma e o visceral Lábios Sangrentos em missão de honra


Em busca de uma missão lucrativa e um novo alguém para exterminar, Elektra aceitará o risco de procurar um dos mais violentos assassinos, o Corvo Encapuzado e trazê-lo vivo a mando da Casamenteira, enquanto enfrenta sua própria consciência, assassinos que buscam seu mesmo alvo e um vilão quase tão complexo e brutal quanto ela.

Sem muito contato prévio com a personagem, o quadrinho Linhagem Assassina é surpreendente na profunda apresentação da personagem, sua história e em sua parte visual. A estética das ilustrações depositam uma carga dramática ainda mais intensa com relação à vida de Elektra, com traços soltos, cores frias e uma pintura que muitas vezes se assemelha à técnica giz pastel com texturas interessantes aos olhos.

Ao mesmo tempo que sabemos que Elektra é uma assassina atuante na cidade de Nova Iorque em tempos modernos, a estética de seu encontro com a Casamenteira nos transporta rapidamente para os anos 1920 em um ambiente particular, mas que rapidamente se dissolve para apresentar o selvagem vilão Lábios Sangrentos e sua profusão de pensamentos doentios sobre como realmente funciona sua força.

Aliás, uma das características principais da publicação são os diálogos internos que acontecem tanto com a protagonista, como com o vilão, e que passam toda sua personalidade, dramas pessoais e objetivos através dessas conversas consigo mesmos, restando assim um diálogo mais voltado para as cenas de ação entre os personagens.

Elektra é claramente uma mulher forte, mas muito machucada interiormente. Apesar de ter a possibilidade de sair e viver uma vida normal e correr atrás de seus sonhos, escolhe manter-se na vida dos assassinatos quase como penitência por todas as atrocidades que já cometeu, e assim afunda-se cada vez mais em sentimentos ruins e sofrimentos, que no fim são exatamente o que lhe dão força para continuar lutando.

Tanto ela quanto Lábios Sangrentos passam por um momento de enfrentamento das figuras que mais amaram na vida e é bastante profundo e perturbador como isso acontece lado a lado nas mesmas páginas, ver dois seres tão arraigados na violência, mesmo que por diferentes motivos, se deixarem quase vulneráveis em poucos instantes, até que a realidade volte como um grande soco no estômago.

A personagem de Elektra tem pouco destaque nas grandes mídias então muitas vezes não temos a dimensão das suas habilidades e capacidades como guerreira, ninja e assassina, mas com certeza neste único quadrinho temos uma apresentação mais do que suficiente de todas estas três qualidades, que não deixam a desejar em nenhum momento, provando o quanto esta personagem deve ser respeitada e melhor explorada.

Por uma questão de honrar com sua palavra e seus acordos, Elektra irá enfrentar inúmeros inimigos e se colocar em posição de alvo para ainda mais assassinos virem atrás dela, tudo para terminar sua missão e vencer quaisquer obstáculos que encontre em seu caminho.

Mais uma vez, uma HQ surpreendente e que vale a leitura tanto para fãs da personagem que a verão em um grande arco, como para novatos no mundo dos assassinos que verão o quão forte, determinada e perigosa Elektra pode ser.

Ficha Técnica
Título: Elektra Linhagem Assassina
Editora: Panini Comics
Roteiro: W. Haden Blackman
Arte: Michael del Mundo
Capa: Marco D1 Alfonso
Cores: Sana Amanat
Tradução: Bernardo Santana / Paulo França
Letras: Daniel Rosa
Número de páginas: 116

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário