quinta-feira, 20 de abril de 2017

Vida mostra os perigos da busca e contato com espécies extraterrestres


Nunca se esteve tão perto das confirmações de vida em outros planetas. As avançadas pesquisas tem descoberto novos planetas e astros, assim como atmosferas propícias para o desenvolvimento da vida.

Em meio a este período de exploração espacial com reais avanços, chega aos cinemas o filme Vida, da Sony, dirigido por Daniel Espinosa, que vem tratar justamente de um cenário onde a ciência agora também se desenvolve no espaço com a ajuda de bases fora da Terra e sondas espaciais.

Marte continua sendo um planeta que fascina os estudos sobre a vida fora da Terra, até por sua proximidade. Assim, à bordo de uma Estação Espacial Internacional, um grupo de profissionais de diversas nações especializados e preparados para a viver no espaço, aguarda a chegada de uma sonda com amostras do solo marciano.

Viagens espaciais são abraçadas pela população e há até interação sobre as novidades e vida em órbita. Tudo vai bem e parece bastante promissor até que os primeiros estudos oriundos das amostras do solo de Marte começam a dar resultado ao encontrarem micro-organismos vivos, ou seja, prova da vida extraterrestre.

A notícia é recebida com empolgação e cautela pela tripulação, formada por Sho Murakami (Hiroyuki Sanada), Rory Adams (Ryan Reynolds), Miranda North (Rebecca Ferguson), David Jordan (Jake Gyllenhaal), Ekaterina Golovkina (Olga Dihovichnaya), Hugh Derry (Ariyon Bakare), já que o contato precisa ser evitado por causa de possíveis riscos de contaminação.


O que a equipe não esperava é que organismo crescesse tão rápido e desenvolvesse uma inteligência instintiva em pouco tempo de vida, acabando com a calmaria e animação da descoberta e iniciando uma sequência de desespero e medo dentro da nave. Ao escapar de sua incubadora e assassinar o primeiro membro da tripulação, Calvin, como foi apelidado o primeiro Marciano, torna-se uma ameaça implacável não só para os tripulantes, como para todo o planeta Terra.

O alienígena não demonstra ter qualquer tipo de emoção, apenas um instinto de sobrevivência que requer oxigênio e a morte dos humanos. Seu visual é bastante diferente e é notável a preocupação com a semelhança e evolução de sua aparência ao longo do seu crescimento no filme. Começando como um micro-organismo para um ser independente, Calvin torna-se um perigo rapidamente percebido pela equipe.

O mais impressionante é a resistência do ser, que não parece morrer por nada. As tentativas frustradas só encurralam e fazem o número da equipe diminuir, colocando a importante decisão de eliminação do alienígena nas mãos de poucos. Calvin dizimou e destruiu a avançada instalação em uma velocidade tão grande que se chegasse à Terra poderia acabar com toda vida, ainda mais se conseguisse se reproduzir.

Em um último esforço duas capsulas de emergência são ejetadas da nave, uma em direção às profundezas do espaço e outra para a Terra para avisar e proteger o planeta. Mas será que Calvin vai ser exilado ou sua inteligência o levará para a maior e mais próxima fonte de oxigênio?

O filme divide as sensações do expectador, no primeiro momento um sentimento de orgulho e interesse pela descoberta e depois uma tensão e ansiedade ao acompanhar a saga da equipe ao tentar conter o ser que eles mesmos acordaram. Também é interessante acompanhar a rotina da tripulação na gravidade zero e as perseguições após o domínio de Calvin na nave.

A produção chega para plantar aquela semente de insegurança que cerca todas as explorações e descobertas relacionadas com o que há lá fora e com o desconhecido. Deixando o espectador se perguntando se é sábio procurar vida fora da Terra ou cultivar um alienígena retirado do solo de Marte, por exemplo.

Mas mesmo com o medo do desconhecido, a verdade só poderá ser encontrada e o conhecimento sobre o espaço alcançado, sendo perigoso ou não, se forem buscados e estudados cada vez mais. Até porque sabemos que a verdade está lá fora.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário