terça-feira, 1 de novembro de 2016

No Japão Ultraman Orb decola e Zyuohger para no caminho


Duas gigantescas franquias do gênero Tokusatsu comemoram aniversários invejosos. Enquanto uma apresenta cinco guerreiros coloridos, uma outra traz o gigante prateado para lutar contra gigantescas criaturas. Mas até que ponto essa fórmula funciona?

Já ficou evidente que qualquer série de Tokusatsu seja ela feita para o público estritamente jovem ou para o público adolescente, sobrevive da venda de merchandise aliada claro a uma audiência considerável. Rios de dinheiro são gastados ano após ano com a estreia de um novo Super Sentai e Ultraman, não vou citar outras séries porque a comparação que trago hoje será feita com dados que foram disponibilizados referentes a essas citadas.

Por quanto tempo a TV será um chamariz para os mais novos cada vez mais conectados? - Foto: Reprodução internet

A primeira dessas séries é a queridinha da Toei e famosa por sua longa exibição sem interrupção. Os Super Sentai, criado por Shotaro Ishinomori cativam o público oriental desde a década de 70. A popularidade dos heróis coloridos ultrapassou barreiras e conquistou novos fãs em outros países, incluindo o Brasil. Até 1991 a Bandai, responsável pela confecção dos produtos apenas se preocupava com o mercado nipônico, mas à partir de 1992 com a adaptação de Zyuranger para Mighty Morphin Power Rangers o jogo virou e agora a renda vinha de duas fontes diferentes, apesar de se tratarem basicamente do mesmo produto.

Os números de audiência que são anualmente disponibilizados pela TV Asahi evidenciam uma queda brusca pelo seriado. Os motivos podem ser diversos, desde a facilidade de consumir o produto online ou até mesmo falta de interesse por parte dos mais jovens. Não ter audiência na televisão significa que os patrocinadores daquele horário especifico, estão perdendo tempo em divulgar suas marcas e produtos durante os intervalos comerciais.

Rapidamente o fã mais atento busca a solução para os brinquedos. Esses sim podem salvar uma série da baixa audiência, mas até que ponto? Desde 2009, logo após a exibição de Samurai Sentai Shinkenger que os Super Sentai mostram uma queda de audiência e às vendas de brinquedo oscilam. Tivemos séries com ótimos números enquanto outras como Go-Busters (2013) amargavam no estoque das lojas e Ninninger (2015) que se tornou a série com menos vendagem da história. O declínio continua e Zyuohger (2016), série comemorativa pode terminar como o Sentai menos assistido de todos os tempos com uma média de 3,6% de audiência.

O esquadrão que comemora os 40 anos dos Super Sentai - Foto: Reprodução internet

A TOEI agora terá que descobrir uma maneira de barrar esse declínio em sua audiência. O investimento na sucessora, Uchuu Sentai Kyuuranger, que será lançada em 2017 terá que ser muito maior.

Por outro lado, a "concorrente" Tsuburaya tem que comemorar. A empresa que detém os direitos do icônico Ultraman estão muito contentes com os números da sua série de aniversário Ultraman Orb. A série que comemora os 50 anos da franquia aposta em um novo formato para exibir seus episódios além da televisão, o serviço de streaming. E uma jogada também muito inteligente que são as séries curtas, medida que começou a ser adotada rigidamente desde Ultraman Ginga (2013).

O site FIELDS divulgou recentemente um relatório que traz dados bem motivadores para a equipe que desenvolve o seriado. De acordo com os dados, o Orb Ring (dispositivo de transformação e principal brinquedo da série), teve um ganho de 51% comparado com o da série anterior, Ultraman X (2015). E não para por ai! A audiência por streaming extrapolou e teve um aumento de 89% também em comparação a "X". A jogada de transmissão simultânea pelo mundo inteiro, rendeu mais de 480 milhões de visualizações.

Orb entra na sua reta final com bons números de venda e audiência - Foto: Reprodução internet

Apesar de serem séries diferentes, tanto os Super Sentai e os Ultraman tem como único objetivo alcançarem os fãs do gênero. Mas porque existe essa disparidade tão grande entre os números das recentes séries comemorativas? O que deu certo em uma e que a outra ainda não está fazendo? Será que em um futuro próximo todos estarão bem das pernas? Deixe a sua opinião nos comentários.

Você também pode gostar

7 comentários:

  1. As produções da Tsuburaya são muito bem detalhadas tanto em roteiro, como atores, cenas de ação e Ultraman não tem 50 anos a toa...esses dias tava comentando sobre isso num evento em barueri e tinha uma sala sobre ficção cientifica repleta de bonecos de ultramans e ai fiquei conversando sobre o Orb e varias outras séries Ultraman com o cara da sala. A Toei na minha opinião está se saindo um pouco melhor em Zyuohger e espero que ano que vem eles melhorem ainda mais...eu sempre darei meu apoio moral a ambas as empresas por um único motivo...eu amo Tokusatsu do fundo da minha alma.

    ResponderExcluir
  2. Simples, as produções da Tsuburaya é muito minimalista em tudo, no visual, no roteiro e até nos personagens, enquanto a Toei não mudar sua formula espalhafatosa o declínio só vai aumentar...

    ResponderExcluir
  3. Um dos motivos é não mudarem o público alvo, a Tsuburaya anda apostando num público mais velho e a toei não anda inovando muito ao contrário da concorrente!

    ResponderExcluir
  4. Acredito que alguns dos principais fatores para essa disparidade é o fato de a Tsuburaya investir tanto no público mais antigo quanto no público mais recente e também uma história mais bem construída e diferenciada do que já havia sido proposto em outros títulos da mesma franquia, além do já citado serviço de Streaming. Enquanto os Super Sentai ficam na mesmice, os produtores de Ultraman tentam agradar os fãs de um jeito diferente de simplesmente lançar brinquedos e usar fórmulas desgastadas que agradam menos pessoas. Fora que a Tsuburaya (pelo o que eu li na internet) sempre prezou a arte acima do comércio. Acho que é aí que está a diferença e acredito que muita gente dá mais importância ao que é bonito e não ao que vende mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo...assim como certas emissoras brasileiras que só querem se dedicar a um determinado público e esquecem dos demais, principalmente o infantil e aqueles que no passado acompanhavam He-Man, Centurions, Thundercats, TF, Jaspion, Changeman, CDZ...Como disse o SS "Os mesmos que assistem o Jornal do SBT hoje eram os mesmos que anos atrás assistiam Chaves, CDZ e outros..." portanto o negócio é fidelizar ...e a Toei se não tomar cuidado também com os KRs, principalmente o Ex-Aid, pode levar outra lambança...nem parece que tivemos o Wizard, Gaim, Drive e Ghost que foram uns espetáculos...

      Excluir
    2. Pois é. Na minha opinião o grande problema mesmo é a questão comercial. O fator nostalgia até se encontra presente em franquias como Kamen Rider. O ruim é que, devido à intervenção de questões econômicas, as histórias que deveriam ser memoráveis e emocionantes para os mais velhos, acabam se tornando roteiros que parecem ter sido inventados na hora. Tem ainda a questão do fanservice, no qual os produtores inserem certos elementos apenas para agradar uma parcela de fãs que gostam de sempre ver determinados elementos. Isso acaba estragando a possibilidade de um melhor planejamento em relação à história das séries.
      Uma tacada boa que os produtores de Kamen Rider fizeram recentemente, foi lançar o Kamen Rider Amazons, com uma temática e uma complexidade de enredo muito mais profunda do que os convencionais feitos principalmente para vender brinquedos.
      Enquanto a Tsuburaya é uma corajosa que tenta atender todos os lados, a Toei está focada nas crianças, sendo que ainda existe um número grande de fãs antigos de seus títulos.

      Excluir
  5. acredito que além da trama a Tsuburaya traz na história de ultraman romance e drama, é o que fica a desejar nas series de super sentai desde timeranger. Isso leva a esse declínio na audiência e também no serviço streaming.

    ResponderExcluir