sexta-feira, 22 de maio de 2015

Mr. Xandom | Spoilers e Especulações: Season Finale, Flashpoint e Viagem no Tempo


Por Alexandre Teixeira

A coluna de spoilers e especulações que algumas pessoas gostam (e outras nem tanto) está de volta, e desta vez eu resolvi falar de um assunto que está gerando muita discussão entre os fãs: a season finale de The Flash, que estava repleta de referências aos quadrinhos e de Easter eggs, incluindo o capacete de Jay Garrick e a Mulher-Gavião.

Eu não irei falar sobre esses Easter Eggs, mas sim como o último episódio da temporada tem uma forte ligação com Flashpoint, um dos arcos mais famosos nos quadrinhos de Flash. E logo após isso, irei falar um pouco sobre a viagem no tempo, usando como exemplo duas formas de se contar histórias envolvendo esse assunto.

Avisando que a postagem conterá spoilers do último episódio, então, caso você ainda não tenha assistido, eu aconselho a não continuar.

Como algumas pessoas podem ter notado, "Fast Enough", chegou bem perto do enredo de Flashpoint. O arco que foi publicado pela DC Comics em 2011, foi um evento crossover desencadeado pelo Flash, depois que ele alterou a linha temporal. Tal como seu homólogo na televisão, Barry Allen viaja no tempo, de volta a noite em que sua mãe foi morta pelo Flash Reverso. Mas, enquanto o Flash da série resistiu à tentação de salvar Norah Allen, sua versão dos quadrinhos não foi tão sábio. Depois de ter salvado sua mãe, Barry condenou todo o universo, desencadeando um efeito dominó que alterou todas as linhas temporais do Universo DC, fazendo com que o mundo se torna-se um lugar bem pior.


Tal destino para o universo de Flash na série foi explicado pelo professor Martin Stein, que advertiu Barry sobre as consequências de se alterar o tempo. Stain fala a Barry que ele não pode alterar nada no passado, por isso poderia resultar em um presente muito diferente. Com o prenúncio dos acontecimentos de Flashpoint, parecia que The Flash estava prestes a seguir o mesmo caminho dos quadrinhos.

A "adaptação" de Flashpoint cotinuou quando Barry entrou na Força de Aceleração. Lá, ele teve vislumbres de algumas realidades e de alguns futuros, incluindo um onde Caitlin se transforma em Nevasca. Embora ainda seja apenas especulação neste momento, não é impossível pensar que a transformação de Caitlin em Nevasca pode ter ocorrido na linha temporadal do Flashpoint, onde Barry mudou o passado e isso alterou o futuro. Já que a personagem é uma conhecida vilã da DC. Talvez haja um universo, no multiverso da CW, onde o Flash consegue salvar sua mãe e por conta disso desencadeia um futuro distópico com destinos muito mais sombrios para seus amigos.


Mas a maior ligação com Flashpoint acontece quando Barry chega a noite em que sua mãe morre, e deve tomar a decisão de salvá-la ou não. Na cena, Barry vê seu próprio eu do futuro lutando contra o Flash Reverso em sua cada. Mas, pouco antes de Barry intervir, seu eu mais velho olha para ele, e com muita sutileza, aconselha ele a não intervir. Atendendo ao aviso, Barry permanece fora do confronto e permite que o Flash Reverso mate Norah. Esse momento é na verdade um cenário de Flashpoint invertido. Nos quadrinhos, o Barry do presente explica ao Barry do passado do porque está fazendo aquilo, na esperança de que o ele do passado vá entender.


Essa referência aparece quando Barry vai dar o adeus final a sua mãe. Tal como aconteceu na série, em Flashpoint, Barry encontra com sua mãe já adulto. Com a chance de dizer tudo que queria a ela, Barry finalmente é capaz de deixá-la ir. Infelizmente, nos quadrinhos, Barry não é capaz de retornar a seu presente normal, que é o que acontece na série. Devido a isso, é criado um novo universo para a DC nos quadrinhos, o universo dos Novos 52.


Assim, o Flash da série, apesar de ter se aproximado muito de Flashpoint, não chegou a criar essa nova linha temporal. Mas a série ainda tem um grande potencial para explorar um futuro sombrio na segunda temporada. É possíve que o buraco de minhoca que aparece em Central City no final do episódio leve Barry para uma nova realidade, a realidade do Flashpoint, ou até mesmo para a Terra-2, a terra de Jay Garrick. Quanto a isso, infelizmente teremos que esperar até a segunda temporada para descobrir.

Agora, como prometido, irei falar sobre duas formas de se abordar a questão da viagem no tempo, e que de certa forma podem ter sido usadas neste último episódio de The Flash.

O que quer que tenha acontecido, aconteceu:

Nesta teoria, você não pode mudar o passado, mas tudo vai parecer novo quando você for transportado de volta. Vamos dizer que você nasceu no ano de 2000. Hoje, você tem 15 anos. Obviamente os acontecimentos da década de 90 já aconteceram e fazem parte de uma série de acontecimentos que nos levou diretamente até o agora.

Agora, vamos lhe enviar de volta no tempo 25 anos, para o ano de 1990. Como os eventos de 1990 já aconteceram quando você nasceu, você não teve a oportunidade de vivenciá-los. Pense no tempo como um disco, no qual você é a agulha que irá gravar nele uma música. Você começou a ouvir essa música em 2000 e continou até agora, 2015, mas, quando você pega a agulha e a movimenta de volta até 1990, você nota que nunca escutou essa faixa. Isso não significa que ela não estava lá o tempo todo. Esta é a primeira vez que você á está escutando. Mesmo se você ficar nesse tempo (1990) por 10 anos até chegar a 2000, quando é o ano em que você nasceu, a música será a mesma, porém, você já terá á escutado.

Nessa teoria, a regra é que você não pode mudar nada, mesmo que você tente. O passado não poderá de forma alguma ser alterado. Então, o que você fez quando voltou no tempo, de fato, leva você a voltar no tempo novamente. O que acaba causando um efeito de bola de neve. Isso acaba sendo muito confuso.

Efeito Borboleta:

Esta teoria é tão difícil de se seguir quanto a primeira, porém, de uma maneira completamente diferente. De acordo com as regras do efeito borboleta de se contar uma história sobre viagem no tempo, uma pequena mudança no passado mudaria toda a linha temporal. Claro, já que a pessoa nunca teria voltado no tempo, o que acaba lendo a um terrível paradoxo. A alternativa para esse novo resultado seria a criação de um universo alternativo. Em vez de se cancelar o universo de onde se partiu e criar uma nova linha temporal, esse universo de partida continuaria existindo, juntamente com o novo universo.

Esta parece ser a ideia mais provável para o que irá acontecer com os personagens em The Flash. Considerando que eles não desaparecem quando Eddie atira em si mesmo, apagando a existência de Eobard Thawne completamente, parece que eles não estão em um novo universo. Em seu novo universo Eobard veio do futuro, matou o verdadeiro Wells, treinou Barry e desapareceu. Isso deixa em questão o lugar de existência do Eobard original. Talvez este lugar esteja do outro lado do buraco de minhoca?

É difícil dizer qual delas é a teoria que está sendo usada em The Flash, porque, tecnicamente Barry não muda nada no passado quando ele não salva sua mãe. No entanto, quando Eddie se sacrifica e apaga a existência de Eobard, isso acabaria causando o efeito borboleta. Viagem no tempo é uma ótima maneira de se contar uma história, embora seja muito complicada as vezes.

Espero que vocês tenham gostado da coluna dessa semana e peço desculpas por qualquer confusão ou dor de cabeça que você tenha tido na hora de ler sobre as teorias da viagem no tempo. Realmente é algo muito confuso.

Semana que vem estarei de volta.

Fonte - Comic Book

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário