segunda-feira, 2 de junho de 2014

Ping Pong The Animation | Review do Anime (Parte I)


Ping Pong The Animation é a adaptação do mangá seinen Ping Pong, do autor Taiyō Matsumoto, que foi publicado na revista Big Comic Spirits de 1996 a 1997. A adaptação é produzido pela Tatsunoko Production e dirigida por Masaaki Yuasa e está sendo exibida pela Fuji TV desde Abril de 2014.

Atenção, o Review à seguir é referente aos episódios 01 a 07 e contém Spoilers
Leonardo Souza

A pesar da história girar em torno de Peco e Smile, dois amigos que frequentaram um clube de ping pong desde crianças, eles não são os únicos que possuem uma quantidade considerável de espaço na trama.

Primeiro é bom ressaltar que, na minha opinião, esse é um anime de esportes para quem não gosta dos animes de esportes atuais e está procurando por uma nova perspectiva. Não estou afirmando que as pessoas que gostam de animes de esportes vão odiar este, mas irei esclarecer minha posição.

Geralmente os animes de esporte mais recente tratam de como é possível para alguém, com muito esforço, tornar seu sonho realidade no mundo dos esportes. É claro que elas podem enfrentar alguma dificuldade no caminho, mas nós geralmente encaramos uma perspectiva otimista.

Esse anime traz uma abordagem mais realista, na minha opinião, apresentando muito menos sobre o esporte em si ou sobre os lances incríveis e sobre-humanos que os jogadores podem fazer, de fato as partidas são bem rápidas e possuem pouco peso no que realmente é apresentado ao telespectador.


O importante nesse anime, mesmo durante as partidas, é o aspecto psicológico dos jogadores assim como a vida e o comportamento social deles longe das mesas de ping pong. O anime trata muito bem de assuntos como motivação, pressão, e a ideia de talento x esforço, não na forma de superação, mas como isso pode trazer uma carga emocional grande tanto para jogadores talentosos quanto para os que não são.

Essa tomada um pouco mais abstrata em um anime de esportes possui o auxílio de uma arte mais simples, do qual muitas pessoas, através de seus comentários, afirmam não apreciar. Eu não posso dizer com certeza que esse é o motivo da arte pouco convencional, mas eu tenho impressão que a arte simples é essencial, pois é extremamente flexível.


Essa flexibilidade se mostrou instrumental em várias partes do anime para destacar o estado emocional dos personagens assim como compor suas personalidades. Por exemplo, a personalidade impertinente de um personagem como Peco é passada de forma muito mais completa com o realce das expressões de deboche. Assim também como as expressões que indicam o desprezo de Kong pelo Japão.

Um mangá/anime de esporte que eu também aprecio muito, para medidas de comparação, é Hajime No Ippo, que também apresenta bem o aspecto psicológico dentro das lutas com uma abordagem muito interessante que torna o esporte mais complexo do que o esperado sem recorrer a superpoderes e outras coisas mirabolantes. Entretanto, essa análise muitas vezes se limita as lutas enquanto Ping Pong The Animation possui uma abordagem mais abrangente que permeia todo o cotidiano dos jogadores e dos não jogadores envolvidos na história.

Os diálogos são bem sólidos e desafiam o pensamento. O anime respeita o telespectador sua inteligência, e não têm medo de mostrar como os personagens podem ser extremamente duros e insensíveis uns com os outros - algo muito mais em linha com a vida real, ao invés de personagens se tratando da maneira mais polida possível.

Eu não vou mentir, é necessário uma certa quantidade de coragem e paciência para se acostumar ao anime e apreciá-lo. Isso não me deixa surpreso já que é uma barreira comum quando se tenta apresenta um seinen para uma população que gosta predominantemente de animes shonen. Eu não diria que o anime é um dos melhores da temporada, mas eu acredito que o esforço é válido e que vocês não irão se arrepender.

Você também pode gostar

0 default-disqus:

Postar um comentário