quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Dramática #3 | Koizora

Olá, pessoas! Depois de “férias” que eu não tive, e de uma longa bateria de provas, eu voltei! Como estão suas férias, AINDA? Contem pra mim... Aqui vai mais uma dica pra você não passar o finalzinho das férias em branco: Vendo DORAMA!


Essa semana, finalmente, um dorama japonês. Vou falar de Koizora.

Semana passada eu dei a dica de um dorama um pouco triste, então eu até pensei em um dorama mais divertido e dinâmico, mas eu não achei justo esquecer deste que faz parte da minha vida de modo construtivo, logo achei válido indicá-lo pra dar a vocês o que pensar para esse ano que está começando.
Koisora se passa num Japão bem simples, vindo de um puro manga shoujo: casinhas simples, colégio no fim da rua, rios com áreas verdes. A personagem principal dessa história se chama Mika. É seu primeiro ano do colegial e ela ainda está aprendendo sobre as coisas da vida, principalmente sobre o amor. Todas as suas amigas do colégio que a acompanharam do fundamental já estão mais maduras, mais ligadas em namoro e em meninos, mas Mika ainda tem uma mente inocente e pura.


Seu mundo muda completamente quando ela conhece Hiro, um menino meio rebelde, de cabelo branco que simplesmente a beija do nada! Logicamente, Mika se sente balançada por esse beijo inesperado e não consegue tirar Hiro da cabeça. Porém Hiro tem uma ex-namorada barra-pesada que não vai deixar os dois em paz tão cedo. Eles insistem em ficar juntos e enfrentar seus problemas da adolescência com o apoio um do outro, problemas esses que foram muitos. Quando a tempestade passa, Hiro termina com Mika e desaparece, deixando uma desolada garota, já cheia de machucados e cicatrizes, para viver a própria vida sem ele.

O que eu mais gosto de Koizora é que é uma história de vida. Mesmo! Mika e Hiro realmente existiram. Mika escrevia um diário de celular, em mais um daqueles sites japoneses específicos pro browser de celular chamado Maho no iLand. E lá ela escreveu toda a história da vida dela, à medida que ia acontecendo. A diferença do diário dela pro de outras meninas era que, a vida de Mika não foi fácil. Ainda muito nova teve que lidar com problemas como estupro, gravidez na adolescência, seqüestro e aborto sem nunca antes ter, sequer, pensado no assunto, pois era a filha mais nova de uma família muito amorosa e protetora. Logo, ela não estava preparada pra tudo o que aconteceu com ela em sua vida durante o colegial e faculdade.


O diário de Mika foi, logicamente, transformado em manga. Um renomado manga shoujo, que ganhou diversos prêmios de roteiro, pois foi escrito pela própria Mika e desenhado por Haneda Ibuki autora de diversos mangas shoujos adultos. Juntamente com o manga veio a série e o filme.


“Mas espera aí, Gio. Você não disse que não ia falar de Live Actions?!” Veja bem: não virou um anime, logo eu aproveitei dessa brecha pra falar dele. Além do mais, o filme e o manga foram lançados praticamente juntos e o dorama no ano seguinte. Então seria baseado no livro Koizora: A Sad Love Story e não nos mangas.



Clique nas imagens para ampliar.

Eu particularmente gosto mais da série do que do filme de um modo geral. Desde a escolha de atores até as partes que foram mostradas. No filme escolheram um galã para interpretar o Hiro (Haruma Miura – Ren Kazama de CrowsZERO) e uma menina pequenininha e fofinha para a Mika (Yui Aragaki – Akane Tendo de Ramma ½ e voice actor em Digimon Data Squad).

Haruma e Yui
Já no drama escolheram o quase selvagem Koji Seto (Rá, pasmem – o Kamen Rider Kiva) e a quase uma lady da Erena Mizusawa (ex-modelo da Candy e da Seventeen). Particularmente eu gosto mais deles dois.

Koji e Erena
No geral, teremos uma mão cheia de personagens cativantes, como o pai de Mika, a irmã mais velha de Hiro, os amigos deles de colégio e Yuu-sempai, o bom e velho third wheel da história que foi simplesmente o cara mais legal do mundo.

Se eu disse que Tree of Heaven era triste, não esperem coisa melhor de Koizora. Esse dorama só tem 6 episódios. Cada um deles é uma bomba de emoções e sentimentos. Mais uma vez: não recomendado para pessoas em depressão, relacionamento estável ou que precisam emagrecer. Efeitos colaterais: alta ingestão de doces e choro incontrolável.


Nota: DEZ. Escrito em letra cursiva e ponto. Um dos melhores doramas que existem. LIKE, EVER!


Absolutamente recomendado. Na verdade, vocês estão levemente impelidos de vê-lo. Agora.

Aguardem a próxima coluna, já tenho mais doramas que estou doidinha pra apresentar a vocês.
Um beijo e até a próxima!

Sugestões no meu twitter: @redlittleriding



Você também pode gostar